09:58 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrentando COVID-19 no início de julho (40)
    2151
    Nos siga no

    Apenas 5% das pessoas infectadas pelo novo coronavírus, segundo o estudo, desenvolveram imunidade, confirmando pesquisas anteriores em que mesmo em regiões fortemente afetadas não surgia proteção na população.

    Cientistas espanhóis examinaram a imunidade de rebanho no país, chegando à conclusão de que esta poderia ser "inalcançável" devido aos anticorpos do SARS-CoV-2 desaparecerem em certos pacientes meras semanas após os desenvolverem, escreve o site Business Insider.

    O estudo refere que só 5% das 61 mil pessoas testadas mantiveram os anticorpos contra o novo coronavírus, segundo dados publicados na revista médica The Lancet, ao mesmo tempo que a imunidade desapareceu em outros 14% apenas semanas depois dos primeiros testes.

    "A imunidade pode ser incompleta, pode ser transitória, pode durar pouco tempo e depois desaparecer", disse Raquel Yotti, diretora do Instituto de Saúde Carlos III da Espanha, que ajudou a conduzir o estudo.

    O país europeu tem sido um dos mais atingidos pela COVID-19, com quase 30 mil mortes e mais de 250 mil infecções, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, EUA, mas nem por isso a Espanha desenvolveu anticorpos suficientes para chegar à imunidade de rebanho, com 7% da população em Barcelona e 10% em Madri, as zonas mais afetadas pela pandemia.

    Homem toma café na cidade de Pamplona, na Espanha, em meio à pandemia da COVID-19.
    © AP Photo / Alvaro Barrientos
    Homem toma café na cidade de Pamplona, na Espanha, em meio à pandemia da COVID-19.

    Em Estocolmo, Suécia, onde não foram implementadas medidas de isolamento estritas, a porcentagem de pessoas com anticorpos era de 7,3% em maio.

    Além disso, Boris Johnson, premiê do Reino Unido, teria tentado inicialmente (junto com Patrick Vallance, o principal conselheiro científico do governo britânico) atingir imunidade de rebanho no país, segundo o vice-ministro da Saúde italiano que conversou com ele em 13 de março, antes de Londres ordenar um lockdown nacional pouco mais de uma semana depois.

    Relação com estudos anteriores

    Alguns pesquisadores consideram que o estudo corrobora descobertas anteriores, de acordo com as quais a imunidade ao vírus pode não ser duradoura em pessoas que desenvolvem apenas sintomas leves ou sem sintomas.

    Segundo Ian Jones, professor de virologia da Universidade de Reading, Reino Unido, uma infecção leve "nunca faz com que o sistema imunológico funcione suficientemente bem para gerar 'memória' imunológica", e um mero teste positivo de anticorpos não garante proteção contra o coronavírus, apesar de ser possível.

    Estudos realizados nos EUA e na China têm teorizado que a imunidade de rebanho não poderia ser atingida.

    "À luz destas descobertas, qualquer abordagem proposta para atingir a imunidade de rebanho através de infecção natural não só é altamente antiética, mas também inalcançável", concluíram Isabella Eckerle, que dirige o Centro para Doenças Virais Emergentes de Genebra, e Benjamin Meyer, um virologista da Universidade de Genebra, ambos na Suíça.

    Tema:
    Mundo enfrentando COVID-19 no início de julho (40)

    Mais:

    Quase metade de moradores de vila na Áustria desenvolveu anticorpos para COVID-19, revela estudo
    'Se tivéssemos agido como o Brasil, teríamos mais mortes', afirma Trump
    Tem que parar: aonde estratégia de imunidade de grupo contra pandemia levou Suécia?
    Tags:
    Business Insider, Universidade Johns Hopkins, Suécia, Boris Johnson, China, EUA, Suíça, COVID-19, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar