23:21 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    150
    Nos siga no

    Equipe japonesa de pesquisadores revelou detalhes inovadores sobre a atividade sísmica de Marte suscetíveis de desmentir as teorias sobre sua origem e composição.

    O quarto planeta a partir do Sol pode ser um dos mundos mais próximos de nós – oscilando a distâncias de entre 55 milhões e 400 milhões de quilômetros, dependendo da sua localização e da posição da Terra em relação à nossa estrela – mas frequentemente é muito mais seguro e certamente menos caro investigar o Planeta Vermelho através de simulações na Terra, em vez de lançar uma nave espacial.

    Estudar Marte simulando na Terra

    Foi essa a opção tomada por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tóquio, que se embrenhou profundamente no Planeta Vermelho, mas em plena Terra, relatou em 22 de maio o portal astronômico Space.com.

    A equipe, liderada por Keisuke Nishida, imitou as condições do núcleo superior de Marte com ajuda de uma liga fundida de ferro e enxofre, que foi elevada a uma temperatura de 1.500 °C.

    Comprimindo a mistura fundida sob uma pressão de 13 gigapascais usando uma prensa multibigorna, os cientistas foram capazes de medir a atividade sísmica.

    Neste caso, Nishida captou ondas P viajando a uma velocidade de 4.680 metros por segundo através da liga e obteve imagens da ação usando raios X de duas instalações de radiação sincrotron: a Photon Factory e a SPring-8, ambas no Japão.

    No experimento, os cientistas detectaram os efeitos das ondas P e ondas S.

    Capaz de percorrer através da rocha a uma velocidade 13 vezes superior à do som pelo ar (343 metros por segundo), a Onda P proporciona o primeiro abalo do fenômeno que abala a terra.

    As ondas S – também chamadas de ondas secundárias – são responsáveis, por sua vez, pelo segundo estremecimento durante um terremoto, podendo ser usadas para estimar a distância ao epicentro do sismo.

    Experimento demorado, mas bem-sucedido

    "Devido a obstáculos técnicos, levou mais de três anos até que pudéssemos coletar os dados ultrassônicos que precisávamos, então estou muito satisfeito por os obtermos agora", congratulou-se Nishida, citado pelo Space.com.

    "A amostra é extremamente pequena, o que poderia surpreender algumas pessoas, dada a enorme escala do planeta que estamos efetivamente simulando", salientou, acrescentando, contudo, que experimentos de alta pressão em microescala ajudam à exploração de estruturas macroscópicas e à definição da história evolutiva dos planetas.

    O alívio de Nishida por haver logrado coletar os dados é compreensível por há muito se suspeitar que Marte possua um núcleo feito de enxofre e ferro, refere o portal.

    Não sendo possíveis no imediato observações diretas no próprio planeta, dado que observações diretas ainda não são possíveis, a simulação das ondas sísmicas permite viajar pelo interior de um planeta, proporcionando um vislumbre de seu âmago.

    Insuficiências da InSight Mars da NASA

    Uma sonda da NASA, a InSight Mars da NASA, pousou em Marte em 2018, procurando por atividade sísmica para se saber mais sobre o interior do planeta e como se formaram os planetas rochosos interiores do Sistema Solar.

    Contudo, e de acordo com Nishida, há que ter algum cuidado na análise dos dados recolhidos pela InSight, pois "falta uma informação importante, sem a qual os dados não podem ser interpretados".

    "Precisávamos conhecer as propriedades sísmicas da liga ferro-enxofre que se pensa formar o núcleo de Marte."

    Recorrendo às pesquisas de Nishida e de sua equipe, os astrônomos estão agora aptos, analisando os dados sísmicos, a descobrir se o núcleo de Marte é composto principalmente de enxofre-ferro.

    "Se não for, isso nos dirá algo sobre as origens de Marte", disse Nishida. "Por exemplo, se o núcleo de Marte inclui silício e oxigênio, isso sugere que, assim como a Terra, Marte sofreu um enorme impacto ao se formar. Então, de que é feito Marte e como se formou? Acho que estamos prestes a descobri-lo", garantiu o astrônomo japonês.

    Mais:

    Cientistas teriam descoberto lugares mais protegidos de radiação para astronautas em Marte (FOTO)
    Marte tem clima modelado e traz surpresas sobre água
    EUA podem enviar arma termonuclear ao espaço usando Marte como pretexto, segundo chefe da Roscosmos
    Tags:
    origem da vida, Terra, Universo, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar