21:43 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 241
    Nos siga no

    O fenômeno quase passou despercebido, já que se trata de um processo lento que ocorre a uma grande profundidade sob a água. No entanto, dois terremotos ocorridos em 2012 em um estranho local serviram de alerta.

    Uma placa tectônica gigante que existe sob o oceano Índico está se partindo lentamente em dois, indica um estudo publicado pela Geophysical Research Letters.

    Em termos geológicos, falta muito pouco tempo para que a placa seja totalmente dividida, porém para os humanos isto pode significar uma eternidade.

    Acredita-se que a placa conhecida como placa Índia-Austrália-Capricórnio está se separando a uma velocidade de 1,7 milímetros ao ano. Isto significa que deverão passar 600 mil anos para que a separação seja de um quilômetro.

    "Não é uma estrutura que se move rápido, porém segue sendo significativa em comparação com outros limites planetários", afirmou à Live Science a coautora do estudo Aurélie Coudurier-Curveur, pesquisadora principal de geociências marinhas do Instituto de Física do Globo de Paris.

    A falha do mar Morto, no Oriente Médio, move-se aproximadamente 0,4 centímetros ao ano, enquanto a falha de San Andrés, na Califórnia, se move quase 10 vezes mais rápido, aproximadamente 1,8 centímetro anual.

    O fenômeno quase passou despercebido, já que se trata de um processo lento que ocorre a uma grande profundidade sob a água. No entanto, dois terremotos ocorridos em 2012 em um estranho local serviram de alerta.

    Vista de geoglifo gigante na Austrália.
    Vista de geoglifo gigante na Austrália.

    Os terremotos ocorreram em um local incomum, no meio da placa e não onde uma placa tectônica desliza para debaixo de outra, como habitualmente. Estes dois terremotos e outras pistas geológicas serviram para indicar o desenvolvimento de uma deformação nas profundezas da terra.

    "É como um quebra-cabeças. Não é uma placa uniforme. Há três placas que estão, mais ou menos, unidas e se movem na mesma direção", explicou Coudurier-Curveur, ao citar que a deformação não foi algo tão inesperado.

    De acordo com os cientistas, devido ao movimento lento, provavelmente deverão passar aproximadamente 20.000 anos antes que outro forte terremoto ocorra, enquanto o processo completo do rompimento levará dezenas de milhões de anos.

    Mais:

    Terremoto atinge oeste dos EUA e fecha aeroporto em Salt Lake City
    Terremoto de baixa intensidade na Coreia do Norte é herança de testes nucleares, diz Seul
    Terremoto na fronteira entre Turquia e Irã mata 9 pessoas e deixa mais de 100 feridos
    Tags:
    cientistas, estudo, fenômeno, placas tectônicas, terremoto, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar