23:58 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Utilizando a câmera no espectro infravermelho próximo de um dos telescópios no observatório W. M. Keck, situado no cume do monte Mauna Kea no Havaí, astrônomos observaram diretamente dois planetas gasosos PDS 70b e PDS 70c.

    PDS 70 é uma estrela de pequena massa localizada na constelação de Centauro a cerca de 370 anos-luz da Terra. Ela tem apenas 5,4 milhões de anos e abriga dois protoplanetas, PDS 70b e c, e um disco circunstelar em que uma região de 20 a 40 unidades astronômicas está livre de poeira (uma unidade astronômica é de aproximadamente 150 milhões de km).

    ​Novas imagens diretas capturadas com o sistema de ótica adaptativa atualizado do observatório W. M. Keck. confirmam a existência de dois protoplanetas semelhantes a Júpiter orbitando a estrela PDS 70.

    O planeta PDS 70b, que tem uma massa entre 4 e 17 vezes a de Júpiter, está localizado na região livre de poeira a uma distância de cerca 21 unidades astronômicas da sua estrela, ou seja, semelhante à órbita de Urano em nosso Sistema Solar.

    Seu "irmão gêmeo" PDS 70c se situa mais longe da estrela, perto da margem externa da região sem poeira a uma distância semelhante à existente entre Netuno e o nosso Sol.

    PDS 70 é o primeiro sistema multiplanetário conhecido onde os astrônomos podem ver o processo de formação de novos planetas. Os referidos planetas já tinham sido observados no ano passado, escreve portal Sci-News.

    Representação artística do sistema de planetas gigantes PDS 70
    Representação artística do sistema de planetas gigantes PDS 70

    "Quando os dois planetas foram fotografados pela primeira vez, houve uma certa confusão. Embriões planetários se formam a partir de um disco de poeira e gás em torno de uma estrela recém-nascida", comentou doutor Jason Wang do Departamento de Astronomia do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

    "Este material circunstelar acumula-se no protoplaneta criando uma espécie de cortina de fumaça que torna difícil distinguir na imagem o disco de gás e poeira de um planeta em formação", concluiu cientista.

    Para proporcionar clareza, Jason Wang e seus colegas desenvolveram um método para destrinçar os sinais da imagem do disco circunstelar e dos protoplanetas.

    Mais:

    Estrelas 'mortas' podem ter planetas com vida alienígena, sugere estudo
    Encontrada uma das estrelas mais antigas do Universo
    Planeta 'incrivelmente raro' é encontrado a 25.000 anos-luz da Terra
    Tags:
    Universo, constelação, estrelas, Instituto de Tecnologia da Califórnia, Havaí, observatório, Júpiter, Terra, planeta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar