23:56 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)
    140
    Nos siga no

    Guardas de segurança e profissões relacionadas registram uma mortalidade mais alta pelo coronavírus no Reino Unido.

    Trabalhadores de baixa qualificação representam as maiores taxas de mortalidade pela COVID-19, em comparação com outros profissionais, segundo uma análise do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês) do Reino Unido.

    Após analisar 2.494 mortes relacionadas ao coronavírus e registradas até 20 de abril entre trabalhadores na Inglaterra e País de Gales, o ONS comprovou que quase dois terços dos falecidos eram homens, o que vai de encontro com as estatísticas de outros países.

    O órgão analisou os perfis de trabalho dos falecidos e constatou que taxistas, motoristas, chefes de cozinha, assistentes de vendas e trabalhadores da construção civil são os mais afetados pela pandemia do coronavírus e correm mais riscos de falecer pela doença.

    Ainda assim, a análise conclui que taxas de mortalidade pela COVID-19 "aumentaram significativamente" entre homens e mulheres que trabalham com assistência social, um grupo que inclui tanto empregados de abrigos para idosos como cuidadores.

    Seguranças e profissionais relacionados registraram uma taxa de mortalidade mais alta para o coronavírus, com 45,7 mortes para cada 100 mil pessoas, estipulam as estatísticas.

    Enquanto isso, profissionais da saúde, incluindo médicos e enfermeiros, não registraram uma taxa de mortalidade significantemente mais alta em comparação com pessoas da mesma idade e sexo no resto da população, detalhou o ONS. Contudo, estas mortes ainda podem ser analisadas e, portanto, registradas futuramente.

    Entre mulheres, segundo a análise, somente um grupo apresentaria uma taxa mais alta estatisticamente significante: cuidado, entretenimento e outros serviços.

    O escritório britânico destaca que os dados "não provam de forma conclusiva" que as taxas de mortalidade observadas sejam "necessariamente causadas por diferenças na exposição ocupacional".

    Tema:
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)

    Mais:

    Israel empresta US$ 230 milhões à Palestina por queda de receita causada por coronavírus
    Bióloga russa explica razão de resultados falsos negativos em alguns testes de coronavírus
    Coronavírus pode entrar no corpo através dos olhos, alertam cientistas
    Tags:
    vírus, pandemia, pesquisa, Reino Unido, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar