03:30 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 193
    Nos siga no

    O asteroide passou a apenas sete mil quilômetros, mais perto que muitos satélites que orbitam o nosso planeta. A aproximação foi histórica.

    Nesta segunda-feira (4), um corpo celeste desconhecido do tamanho de um caminhão se aproximou do nosso planeta a uma das distâncias mais curtas já registradas.

    No entanto, nenhum satélite que monitora o céu em busca de Objetos Próximos à Terra (NEO, na sigla em inglês) foi capaz de detectá-lo antecipadamente.

    O asteroide 2020 JJ foi descoberto pelo observatório Mount Lemmon Survey no Arizona, quase no momento de sua máxima aproximação, quando estava a sete mil quilômetros do nosso planeta.

    De acordo com os registros históricos da NASA, trata-se da sexta aproximação de um asteroide mais próximo à Terra em mais de um século, estando mais próximo que muitos satélites que orbitam a Terra.

    O fato de o corpo celeste passar despercebido até o último momento é explicado devido ao seu tamanho. Especialistas da NASA estimam que ele tenha um diâmetro entre 2,7 e seis metros.

    Ilustração artística de asteroide se aproximando da Terra
    Ilustração artística de asteroide se aproximando da Terra

    Dessa maneira, é um corpo celeste de tamanho modesto, em comparação com o do 52768 (1998 OR2), o asteroide com um formato similar a uma máscara sanitária, que se aproximou a 6,3 milhões de quilômetros da Terra no mês passado.

    Mesmo em caso de impacto contra a Terra, o 2020 JJ teria se desintegrado na atmosfera. Entretanto sua aproximação furtiva serve como um alerta sobre potenciais perigos oferecidos pelos asteroides próximos à Terra.

    Mais:

    Asteroide com centenas de metros 'potencialmente perigoso' é esperado em maio pela NASA
    Como se formou asteroide Arrokoth, o 'boneco de neve espacial' nas margens do Sistema Solar?
    Asteroide gigante passará próximo da Terra amanhã
    Tags:
    NASA, Terra, impacto, risco de colisão, colisão, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar