04:37 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)
    3271
    Nos siga no

    Acadêmico russo explica como o novo coronavírus SARS-CoV-2 consegue na realidade matar suas vítimas, ao estudar as causas mais frequentes de óbito pela COVID-19.

    Acadêmico e diretor do Laboratório de Mecanismos Moleculares de Imunidade do Instituto russo de Biologia Molecular, Sergei Nedospasov explicou à RT que a morte por COVID-19 é frequentemente causada por uma tempestade de citocinas.

    Citocinas são moléculas que participam da comunicação entre as células e desempenham um papel particularmente importante na regulação do sistema imunológico, modulando a resposta inflamatória para lidar com infecções e também para iniciar o processo de cicatrização.

    Quando patógenos como os coronavírus infectam a pessoa, o corpo se prepara para repelir o intruso.

    Contudo, segundo o imunologista, uma reação anormal do organismo aos patógenos da doença, chamada de tempestade de citocinas, leva à morte, afirmando até que esta é a causa mais frequente de óbito.

    "As moléculas que deveriam regular a resposta inflamatória e imunológica, atuando em pequenas doses e em áreas específicas do corpo, são ao invés produzidas descontroladamente e em altas concentrações", referiu o acadêmico, para quem este descontrolo do sistema imunológico "causa o caos".

    Para o imunologista, há quem considere este fenômeno uma complicação, mas o termo mais correto seria patologia imunológica ou imunopatologia.

    Esta patologia causada por uma reação anormal do sistema imunológico frequentemente leva à morte de pacientes infectados, concluiu.

    Segundo os últimos dados, revelados hoje pela Universidade Johns Hopkins, o número de infectados à escala mundial atingiu 2.908.527 pessoas, havendo a registrar 203.332 óbitos e 824.002 pacientes curados.

    Tema:
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)

    Mais:

    Terapia com células imunes poderia destruir tecidos infectados pelo coronavírus
    Petrobras tem 261 trabalhadores infectados pelo novo coronavírus
    Posso pegar coronavírus do meu bicho de estimação?
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar