20:44 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 141
    Nos siga no

    Uma forma complexa de cirurgia cerebral foi descoberta em fragmentos ósseos encontrados por arqueólogos em um enterramento na Grécia.

    Cientistas analisaram restos mortais de um grupo de arqueiros e seus parentes do Império Romano do Oriente durante o turbulento período Proto-Bizantino, que abrange os séculos IV a VII.

    No sítio arqueológico de Paliokastro, localizado na ilha de Tasos, pesquisadores da Universidade de Adelphi examinaram dez restos de esqueletos, entre eles quatro mulheres e seis homens, que provavelmente tinham uma alta posição social. Os fragmentos achados indicam que aquelas pessoas praticavam atividades físicas.

    "O local de enterramento e a arquitetura da igreja funerária monumental e a construção dos túmulos é espetacular", disse antropólogo e pesquisador principal Anagnostis Agelarakis.

    "De acordo com as características anatômicas do esqueleto daquelas pessoas, tanto homens como mulheres viveram vidas fisicamente exigentes", afirmou Agelarakis, professor de antropologia do Departamento de História da Universidade de Adelphi.

    A seta vermelha aponta para o orifício no processo mastoide do arqueiro. As outras setas apontam para as dimensões do preparo cirúrgico
    © Foto / Anagnostis P. Agelarakis/Adelphi University
    A seta vermelha aponta para orifício no processo de infecção do arqueiro. As outras setas apontam para as dimensões do preparo cirúrgico
    "Os casos de traumatismos muito graves sofridos tanto por homens como por mulheres foram tratados cirurgicamente ou com ortopedia por um médico ou cirurgião com muita experiência e com bastante treinamento em tratamentos de traumas. Pensamos que tenha sido um médico militar", explicou.

    No que toca a cirurgia no cérebro, o antropólogo acredita que o homem era uma figura importante para a população de Paliokastro, já que a cirurgia parece ter sido muito complexa. Partindo dessa informação, a equipe conseguiu dados médicos e paleopatológicos sobre a cirurgia, concluindo que a causa provável do tratamento foi uma infecção.

    Mais:

    Adaga romana de 2.000 anos é descoberta por estagiário de arqueologia (FOTOS)
    Arqueólogos encontram flecha viking de 1.500 anos em geleira na Noruega (FOTO)
    Túmulos de escravos do Império Romano são descobertos no Reino Unido (FOTOS)
    Tags:
    crânio, antiguidade, antropologia, tratamento, cirurgia, Grécia Antiga, Império Romano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar