03:47 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    31310
    Nos siga no

    NASA desenvolve motor de íons que dará propulsão à missão DART, projetada para se colidir com o asteroide Didymos B.

    Enquanto o mundo se depara com a propagação da COVID-19, a NASA quer testar um método de defesa da Terra em relação a asteroides, que no futuro poderiam se colidir com nosso planeta e pôr a humanidade em perigo.

    Pelos planos, a missão Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo (DART, na sigla em inglês) será lançada em julho de 2021.

    O objetivo é testar a capacidade de desviar um asteroide de sua trajetória via impacto cinético. Para tanto, a agência espacial escolheu o pequeno sistema binário de asteroides Didymos, localizado a 11 milhões de quilômetros da Terra e que não apresenta risco ao nosso planeta.

    Conforme publicou o portal Phys.org, o sistema é formado pelos asteroides Didymos A, de 780 metros de diâmetro, e o Didymos B, de 160 metros de diâmetro. Este segundo será o alvo da DART.

    Propulsão a íons

    Para atingir o corpo celeste, a DART contará com um motor a íons muito potente, o NEXT-C.

    Em seu interior funciona um propulsor e uma unidade processadora de potência (PPU, na sigla em inglês).

    Sua potência será de 6,9 kW, e sua propulsão de 236 mN. Embora não funcione como um foguete a combustível, o motor usará xénon para a geração de energia.

    Em uma câmara, o xênon encontra uma grade, onde recebe carga positiva com a ajuda de painéis de energia solar. Ao receber a carga positiva, o xênon se desloca a uma segunda grade, carregada negativamente. Isso acaba empurrando o xênon para fora do motor, criando uma propulsão.

    Missão acompanhada

    Ao se aproximar dos asteroides, uma espaçonave LICIA da Agência Espacial italiana irá fazer fotografias do impacto da DART com o Didymos B.

    Os destroços resultantes da colisão também serão gravados para análises na Terra.

    Resultado esperado

    Os cientistas da NASA esperam que o impacto mude a velocidade do asteroide em aproximadamente 0,5 milímetro por segundo. Isso deverá mudar seu período de rotação, assim como criar uma cratera em sua superfície de cerca de 20 metros.

    Mais:

    Natureza porosa de asteroide Ryugu poderia dar pistas sobre formação de planetas (FOTO)
    NASA encontra novo buraco negro sem querer ao espiar asteroide Bennu (FOTO)
    Encontrados 'bigodes de gato' de ferro cobrindo amostras do asteroide Itokawa (FOTO)
    Tags:
    íons, espaço, NASA, missão, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar