21:14 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Um mistério pré-histórico, que intrigou pesquisadores por meio século, finalmente foi revelado.

    O mistério foi resolvido graças a diversas evidências de dinossauros, que incluem moldes de gesso de pegadas encontradas no armário de uma casa em Sidney, Austrália, informa a publicação Newsweek.

    No portal Historical Biology, pesquisadores divulgaram os resultados das análises das pegadas, procedentes originalmente de uma caverna no centro do estado australiano de Queensland.

    Moldes de gesso de pegadas de dinossauro na Austrália
    © Foto / University of Queensland
    Moldes de gesso de pegadas de dinossauro na Austrália

    Por anos, a formação das pegadas foi objeto de debate entre especialistas. Aparentemente, as evidências revelam um carnívoro Theropoda – um grupo que inclui o famoso tiranossauro, entre outros dinossauros – andando sobre quatro patas.

    "Não imagina-se que o tiranossauro usava seus braços para se mover, e também não esperávamos o mesmo de seus parentes predadores", afirmou em um comunicado Anthony Romilio, paleontólogo da Universidade de Queensland.

    No entanto, devido à falta de provas, pesquisadores como Romilio não foram capazes de provar ou não a habilidade do dinossauro de caminhar sobre quatro patas. Pelo menos até agora.

    Novas evidências sugerem que o formato das pegadas – que foram transformadas em moldes 3D – aparenta ser um herbívoro, comenta Romilio. O pesquisador aponta para os dedos afastados, assim como o ligeiramente longo dedo do meio. Análises revelaram que não existiam marcas de membros superiores, somente de membros inferiores.

    Mais:

    Doença que atinge humanos é encontrada em dinossauro de 66 milhões de anos (FOTO)
    Asteroide do tamanho do que exterminou dinossauros poderia novamente impactar Terra
    Fóssil de leão com dentes trituradores de ossos é descoberto na Austrália (FOTO)
    Tags:
    arqueologia, Austrália, dinossauro, pegada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar