09:21 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4234
    Nos siga no

    O pequeno asteroide 2020 CD3 tornou-se temporariamente um novo satélite natural da Terra, de acordo com cientistas.

    Astrônomos do programa de monitoramento Catalina Sky Survey, financiado pela NASA, acreditam que avistaram um asteroide que está preso na gravidade da Terra.

    "Este objeto está temporariamente ligado à Terra. Não há evidência de perturbações devido à pressão da radiação solar e não foi encontrada nenhuma ligação com um objeto artificial conhecido. Outras observações e estudos dinâmicos são fortemente encorajados", diz o documento.

    De acordo com dados disponíveis, o asteroide tem um diâmetro de 1 a 6 metros. Pertence ao grupo de asteroides Amur ou Apollo.

    ​Notícia grande (Tópico 1/3). A Terra tem um novo objeto temporariamente capturado/ Uma possível minilua chamada 2020 CD3. Na noite de 15 de fevereiro, eu e meu colega da equipe Catalina Sky Survey, Teddy Pruyne, encontramos um objeto de 20ª magnitude. Aqui estão as imagens da descoberta

    "Na verdade, existem os chamados quase-satélites da Terra. Eles têm uma órbita bastante complicada. Quando falamos de um satélite, queremos dizer que ele voa em órbita circular como a EEI [Estação Espacial Internacional] ou Yuri Gagarin. Este objeto voa com mais dificuldade. Ele voa com o mesmo período da Terra sem se afastar muito, formando uma órbita temporária. Tais objetos não vivem em órbita por muito tempo. Eles podem acompanhar a Terra por vários anos e várias décadas", explicou Boris Shustov, diretor-científico do Instituto de Astronomia da Academia de Ciências da Rússia.

    Mais:

    Rover chinês descobre rochas estranhas durante exploração no lado oculto da Lua (FOTO)
    Colonização da Lua? Agência espacial começará a produzir oxigênio de poeira lunar
    Asteroide potencialmente perigoso zarpa perto da Terra com 'lua' exclusiva (VÍDEO)
    Tags:
    Lua, asteroide, microssatélite, satélite, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar