14:45 22 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    110
    Nos siga no

    Uma equipe de astrônomos utilizando o ALMA, telescópio único de design revolucionário e composto inicialmente por 66 antenas de alta precisão, observou uma nuvem de gás muito peculiar ocasionada por um "confronto" entre duas estrelas.

    Uma das estrelas cresceu tanto que envolveu a outra que, por sua vez, foi ao encontro da maior em espiral e fez com que a "rival" perdesse suas camadas externas.

    As estrelas são iguais aos humanos, pois mudam com o passar dos anos e acabam morrendo. Para o Sol e estrelas semelhantes, a mudança é sentida com a queima de todo o hidrogênio do núcleo, o que ocasiona o aumento do astro, que se transforma em uma gigante e brilhante estrela vermelha.

    Finalmente, a estrela moribunda passa a perder suas camadas externas, sobrando o núcleo: uma estrela quente e densa, chamada anã branca.

    "O sistema estelar HD101584 é especial no sentido de que este 'processo de morte' terminou prematura e dramaticamente quando uma estrela próxima de pouca massa foi engolida pela gigante", explicou Hans Olofsson, da Universidade Técnica Chalmers, Suécia. Olofsson é o líder do estudo publicado em Astronomy & Astrophysics.

    Telescópio de micro-ondas ALMA mostra o resultado de uma luta estelar
    Telescópio de micro-ondas ALMA mostra o resultado de uma luta estelar
    Durante a transformação em uma gigante vermelha, a estrela maior cresceu tanto que absorveu a estrela menor. Como resposta, a estrela menor seguiu em direção ao núcleo da maior em espiral, sem conseguir se chocar. A manobra em espiral fez com que a estrela maior explodisse, dispersando suas camadas de gás e deixando o núcleo exposto.

    Pesquisadores afirmam que a complexa estrutura de gás da nebulosa HD101584 apareceu devido à trajetória em espiral da estrela menor quando se aproximava da gigante, assim como os jatos de gás que se formam neste processo.

    Como uma pancada mortal nas camadas de gás aniquiladas, os jatos voaram através do material previamente expelido, formando anéis de gás e brilhantes manchas azuladas e avermelhadas que podem ser vistas na nebulosa.

    Mais:

    Galáxia 'monstro' que cessou subitamente de formar estrelas deixa cientistas perplexos (FOTO)
    Explosão no espaço pode criar estrela mais brilhante de nossa galáxia
    Tags:
    nebulosa, radiotelescópio, Universo, espaço, estrelas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar