05:03 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    250
    Nos siga no

    Um brilho tênue, mas vasto, em raios gama ao redor de um pulsar próximo, detectado pelo telescópio Fermi da NASA, foi associado com detecção de antimatéria perto da Terra.

    Se fosse visível ao olho humano, este "halo" de raios gama pareceria maior que a famosa constelação da Ursa Maior.

    Este fenômeno sugere que este pulsar poderia ajudar a solucionar o enigma científico sobre um tipo de partícula cósmica que vem de fora do Sistema Solar e que é anormalmente abundante perto da Terra – os pósitrons, a versão antimatéria dos elétrons.

    Este trio de imagens contém provas do Observatório de Raios X Chandra da NASA que um pedaço de material estelar foi ejetado de um sistema solar binário a velocidades extremamente elevadas
    © NASA . G.Pavlov
    Este trio de imagens contém provas do Observatório de Raios X Chandra da NASA que um pedaço de material estelar foi ejetado de um sistema solar binário a velocidades extremamente elevadas

    Uma estrela de nêutrons é núcleo achatado que fica quando uma estrela muito mais massiva que Sol fica sem combustível, colapsa sob seu próprio peso e explode como uma supernova. Consideramos algumas estrelas de nêutrons como pulsares, objetos que giram rapidamente e emitem feixes de ondas de rádio, luz, raios X e raios gama que, tal como um farol, varrem periodicamente nossa linha de visão a partir da Terra.

    Geminga, um dos pulsares mais próximos da Terra, é também um dos mais brilhantes nas energias de raios gama. Para estudar seu halo os cientistas tiveram que retirar todas as outras fontes de raios gama, inclusive a luz difusa produzida pelas colisões de raios cósmicos com nuvens de gás interestelar. Foram avaliados dez modelos diferentes de emissões interestelares, explica a NASA.

    A equipe cientifica determinou que Geminga poderia ser responsável pela emissão de 20% dos positrões de alta energia vistos por outras missões espaciais.

    Extrapolando a emissão acumulativa de pósitrons de todos os pulsares na nossa galáxia, os pesquisadores dizem que está claro que os pulsares continuam a ser a melhor explicação para o excesso de pósitrons observado.

    Mais:

    Mudança no campo magnético da Terra criou novo tipo de aurora boreal, revela cientista da NASA
    FOTO da NASA revela figura com linhas retas na superfície de Marte
    Tags:
    Goddard Space Flight Center, Terra, raios cósmicos, NASA, pulsares
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar