22:50 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Dados fornecidos por equipamento da NASA permitiram com que os cientistas determinassem que a trilha de poeira do asteroide recém-descoberto está a aproximadamente 22 milhões de quilômetros.

    Utilizando uma câmera designada pelo Laboratório de Pesquisa Naval (NRL) dos Estados Unidos, a sonda Parker da NASA finalmente identificou o rastro de poeira deixado pelo asteroide 3200 Phaeton, informa o phys.org.

    Segundo o cientista Karl Battams, a trilha de poeira é melhor vista perto do Sol, que faz com que o instrumento de imagens da sonda Parker, o WISPR, se torne uma ferramenta útil para observá-la.

    "É por isso que os sensores heliosféricos do NRL são considerados inovadores [...] Eles permitem a observação dos fluxos próximos ao Sol, massivamente mais fracos que o próprio Sol, que poderia cegar nossas câmeras. E, nesse caso, é possível observar objetos do Sistema Solar muito próximo do Sol", afirma Battams.

    Os dados da sonda permitiram aos pesquisadores determinar que a trilha de poeira do asteroide corresponda a 22 milhões de quilômetros de comprimento, possuindo bilhões de toneladas.

    Sonda Parker Solar Probe aproximando-se do Sol
    Sonda Parker Solar Probe aproximando-se do Sol

    "Algo desastroso aconteceu com o Phaethon há anos, criando a chuva de meteoros [...] Não há como o asteroide produzir a massa de poeira que estamos observando, por isso, acreditamos que o WISPR está observando parte do fluxo de meteoros", ressaltou.

    Espera-se que a sonda Parker continue orbitando o Sol nos próximos cinco anos.

    Mais:

    NASA rastreia asteroide que passará perto da Terra nesta sexta-feira 13
    Sonda da NASA vai procurar fósseis que podem revelar existência de vida em Marte
    NASA explode o maior tanque de combustível para foguetes do mundo (VÍDEO)
    Tags:
    poeira, asteroide, câmera, tecnologia, NASA, sonda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar