20:19 18 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    161
    Nos siga no

    O local escolhido para pouso do próximo rover Mars 2020 da NASA pode revelar se Marte algum dia já abrigou vida e se poderia hospedá-la novamente.

    Segundo um estudo recém-publicado, a cratera Jezero, que é a área determinada para o pouso e que tem 45 km de diâmetro, contém vastos depósitos de sílica hidratada e minerais carbonatos.

    Pesquisadores agora acreditam que Jezero, outrora local de um lago há mais de 3,5 bilhões de anos, graças a seus suprimentos de carbonato, conteria estruturas que podem sobreviver por bilhões de anos, como conchas, corais e certos tipos de rochas formadas pela vida microbiana.

    A presença da sílica hidratada sugere que Marte provavelmente contenha sinais de vida.

    "Usando uma técnica que desenvolvemos que nos ajuda a encontrar fases minerais raras, difíceis de detectar em dados tirados de naves espaciais em órbita, encontramos dois afloramentos de sílica hidratada na cratera de Jezero", disse o autor principal do estudo, Jesse Tarnas, estudante de doutorado na Universidade Brown (EUA).

    Evidências de vida?

    Essa fase mineral na Terra é excepcional na preservação de microfósseis e outras bioassinaturas – o que torna esses afloramentos alvos excitantes para o veículo explorar.

    "O material que forma a camada inferior de um delta é, às vezes, o mais produtivo em termos de preservação das bioassinaturas […] Então, se você conseguir encontrar essa camada de fundo e essa camada tiver muita sílica, isso é um bônus duplo", explicou o professor da Brown e coautor do estudo Jack Mustard.

    Os dados sobre o local e o delta circundante, repleto de depósitos minerais, foram fornecidos pelas informações do Espectrômetro de Imagens de Reconhecimento Compacto para Marte (CRISM) que voa a bordo do Orbitador de Reconhecimento de Marte (MRO) da NASA.

    Marte (imagem de arquivo)
    © NASA .
    Marte (imagem de arquivo)

    O pouso do rover Mars está previsto para 18 de fevereiro de 2021, quando começará a coletar amostras de núcleos de rocha que serão depositadas em tubos de metal na superfície marciana, esperando para serem enviadas de volta à Terra para análise durante uma missão posterior.

    Mais:

    Oxigênio descoberto em Marte intriga cientistas da NASA
    Rover da NASA captura FOTOS de uma incrível paisagem rochosa de Marte
    Sonda da NASA encontra obstáculo e retrocede das profundezas de Marte (VÍDEO)
    Tags:
    vida extraterrestre, Planeta Vermelho, cratera, vida, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar