15:49 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Esta nova imagem criada a partir de imagens de telescópios no solo e no espaço conta a história da caça por um objeto desaparecido escondido em meio a um emaranhado complexo de filamentos gasosos em uma de nossas galáxias vizinhas, a Pequena Nuvem de Magalhães. A imagem vem do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA e revela partículas de gás formando supernova remanescente 1E 0102.2-7219 em verde. O anel vermelho com um centro escuro é do instrumento MUSE no Very Large Telescope do ESO e as imagens azuis e roxas são do Observatório Chandra X-Ray da NASA. A mancha azul no centro do anel vermelho é uma estrela de nêutrons isolada com um campo magnético fraco, o primeiro identificado fora da Via Láctea.

    Descoberta inédita de ondas de rádio em 'teia cósmica' é revelada por astrônomos (FOTO)

    © Foto/ ESO/NASA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    131
    Nos siga no

    Astrônomos revelaram pela primeira vez um filamento peculiar de ondas de rádio que interliga dois aglomerados de galáxias como uma linha esticada entre ilhas galácticas.

    Uma "trilha" de campos magnéticos e elétrons relativísticos foi encontrada ao longo de filamentos que conectam dois aglomerados de galáxias, chamados de Abell 0399 e Abell 0401.

    Ponte de campos magnéticos  Abell 0399 e Abell 0401
    © Foto / DSS and Pan-STARRS1 (optical), XMM-Newton (X-rays), PLANCK satellite (y-parameter), F. Govoni, M. Murgia, INAF
    Ponte de campos magnéticos Abell 0399 e Abell 0401

    Essa linha de rádio cobre uma distância de aproximadamente dez milhões de anos-luz através de uma "teia cósmica" e acompanha um dos filamentos dessa teia, conforme a publicação National Geographic.

    A nova imagem, que mostra um fluxo de plasma entre os aglomerados de galáxias Abell 0399 e Abell 0401, é o primeiro avistamento desse tipo, pois mesmo com a possibilidade de enxergar a infinidade de galáxias e aglomerados que formam a teia cósmica, observar efetivamente os filamentos entre eles é uma tarefa difícil.

    Entretanto, utilizando o radiotelescópio LoFar, a equipe descobriu o que parecia ser uma "aurora em escalas cósmicas", conforme o Daily Mail.

    "Nós normalmente observamos esse mecanismo de emissão em ação em galáxias individuais, inclusive em aglomerados de galáxias, mas nunca observamos uma emissão de rádio conectando dois desses sistemas", afirmou Matteo Murgia, do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália.

    O LoFar detectou ondas de rádio emitidas por elétrons que viajam quase à velocidade da luz, chamadas de emissões sincrotônicas, essas ondas são produzidas por elétrons em aceleração que giram ao redor de campos magnéticos.

    "O sinal detectado poderia ser até centenas de vezes mais brilhante que a emissão da teia sincrotônica, segundo algumas hipóteses", afirma Tracy Clarke, astrônoma do Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA.

    Os pesquisadores também afirmam que isso sugere a existência de campo magnético, o qual pode ser amplificado por outros processos. Contudo, mesmo com tantas descobertas, ainda há muito a entender sobre os misteriosos sinais de rádio.

    Atualmente, a equipe planeja realizar observações adicionais na região com o objetivo de coletar novas informações que possam confirmar a descoberta.

    Mais:

    Universo está se expandindo, mas telescópio Hubble mostra galáxia que se aproxima de nós (FOTO)
    O que uma colisão entre 2 galáxias poderia ocasionar? (VÍDEO)
    NASA detecta novas pistas sobre como galáxias antigas iluminavam Universo (FOTO)
    Tags:
    galáxias, pesquisa, estudo, astrônomo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar