21:22 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Galáxia espiral tirada pelo telescópio Hubble

    O que uma colisão entre 2 galáxias poderia ocasionar? (VÍDEO)

    © NASA. ESA/Hubble & NASA, L. Ho et al.
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Em imagens coletadas pelo telescópio Hubble é possível observar diversas estrelas jovens e nebulosas vermelhas que se formaram depois de uma colisão entre duas galáxias vizinhas, a NGC 4485 e NGC 4490.

    A galáxia irregular NGC 4485 está localizada a 50 milhões de anos-luz do Sol na constelação de Canes Venatici, ou Cães de Caça, do hemisfério celestial norte.

    Durante milhões de anos, a galáxia está interagindo gravitacionalmente com a galáxia espiral próxima NGC 4490, o que provoca distorção em suas formas e formação de novas estrelas, segundo o portal RPP.

    Além disso, as observações também revelam que há uma corrente de gás e estrelas de 24.000 anos-luz de comprimento que conecta essas duas galáxias.

    Para obter as novas imagens da NGC 4485, os astrônomos utilizaram seis fotos captadas pelas câmeras WFC3 e ACS, localizadas no telescópio Hubble.

    À direita na imagem é possível notar as consequências da formação de novas estrelas, onde há estrelas jovens e nebulosas vermelhas, em que se formam as novas estrelas.

    É possível que antes da colisão a NGC 4485 tivesse uma estrutura espiral, no entanto, a influência gravitacional da galáxia vizinha modificou consideravelmente sua forma.

    Graças ao telescópio Hubble, os cientistas receberam uma grande quantidade de informações sobre objetos espaciais, além de ele proporcionar imagens impressionantes da nossa galáxia e diversas outras.

    Mais:

    Esqueça asteroides mortíferos: mineração espacial pode ser próxima vilã da humanidade
    NASA vai testar veículo espacial para desviar asteroide, diz mídia
    NASA identifica 'monstruoso' asteroide que passará perto da Terra em breve
    Tags:
    cientistas, estrelas, universo, espaço, galáxia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar