12:46 05 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Sonda japonesa Hayabusa-2

    Sonda japonesa cria 1ª cratera artificial da história no asteroide Ryugu (FOTOS)

    Wikimedia Commons/ Deutsches Zentrum für Luft- und Raumfahrt (DLR)
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    151
    Nos siga no

    Há poucos dias, a sonda japonesa Hayabusa-2 lançou uma carga explosiva sobre a superfície do asteroide Ryugu para recolher amostras do solo.

    A Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA) confirmou esta quinta-feira (25) a existência da cratera criada na superfície do asteroide na sequência do lançamento de uma bomba a partir da sonda Hayabusa-2.

    "O relevo do asteroide ficou claramente alterado'', disse Yuichi Tsuda, professor associado da agência, citado pelo diário The Mainichi.

    A primeira cratera artificial da história tem cerca de 20 metros de largura, informou a JAXA através da sua conta no Twitter.

    As câmeras da sonda registraram a marca, que ficou na superfície após o lançamento da carga explosiva, a partir de uma altura de 1,7 quilômetros sobre o asteroide.

    A descoberta do sitio exato onde se deu o impacto ocorreu no contexto da Operação de Busca da Cratera (CRA2), realizada pela agência desde 23 até 25 de abril.

    Anteriormente a JAXA publicou uma fotografia na qual se pode observar a projeção de matéria do asteroide que aconteceu depois do bombardeamento.

    Hayabusa-2 fez explodir a superfície do asteroide para fazer uma cratera

    O objetivo desta missão, que foi iniciada em 2014, era criar uma cratera artificial para obter amostras de solo do asteroide Ryugu. A operação foi completada graças a um dispositivo explosivo de dois quilos e do tamanho de uma bola de beisebol.

    Mais:

    VÍDEO mostra momento exato em que asteroide Ryugu é atingido por bomba
    Sonda japonesa se prepara para 'bombardear' asteroide Ryugu
    Asteroide Ryugu é atingido por projétil da sonda japonesa (FOTOS)
    Tags:
    asteroide, cratera, explosão, amostra, Hayabusa-2, JAXA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar