16:20 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Construção de uma usina nuclear na China

    China está prestes a revolucionar energia termonuclear?

    © AP Photo / Tan Jin
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    8333

    O gigante asiático está tentando conseguir a liderança no âmbito da energia termonuclear, o que é claramente indicado pelos últimos avanços do país na área.

    Cientistas de todo o mundo buscam efetuar a síntese termonuclear controlada, ou seja, tentam fundir dois núcleos de hidrogênio em um de hélio, e assim imitar as reações que ocorrem no Sol para conseguir uma fonte de energia inesgotável e ecologicamente limpa. O principal problema com que os físicos vêm lidando agora radica em que os núcleos atômicos possuem cargas positivas, portanto, é muito difícil os fundir, escreveu a jornalista Tatiana Pichugina em seu artigo para a Sputnik.

    "Para conseguir a fusão é preciso superar a barreira de Coulomb, que por sua vez exige uma grande quantidade de energia e calor", apontou.

    Por agora, os cientistas sabem como é possível reaquecer os isótopos de hidrogênio (deutério e trítio) até uma temperatura de milhões de graus. Porém, o plasma que se forma durante o aquecimento geralmente não é estável e acaba se esfriando em questão de segundos.

    "Este tempo é insuficiente para que comece uma reação estável de síntese termonuclear", indicou a jornalista.

    Porém, nos últimos dois anos, os cientistas chineses conseguiram marcar recordes tanto no tempo, como na temperatura de contenção do plasma no reator termonuclear EAST. Além disso, a China começou a construir instalações para a nova câmara toroidal com bobinas magnéticas CFETR.

    O EAST é uma câmara toroidal com bobinas magnéticas fabricada a partir de um projeto soviético e construído na cidade chinesa de Hefei. A jornalista frisou que os cientistas chineses não apenas conseguiam esquentar o plasma no EAST até uma temperatura que supera várias vezes a do Sol, mas também o mantiveram neste estado durante 101,2 segundos.

    "Por enquanto este tempo é o recorde mundial", enfatizou a autora do artigo.

    Os pesquisadores chineses também provaram a eficácia do desviador de tungstênio com sistema de esfriamento por água, um dispositivo especial que se instala na parede do reator e ajuda a estabilizar o plasma, lê-se no artigo publicado no portal lOP Science.

    Este e outros experimentos realizados no EAST ajudarão os cientistas chineses a criarem o CFETR, opinou a jornalista.

    A construção do CFETR deve começar em 2021 e terminar em 2035. Acredita-se que o aparelho produza milhares de megawatts de energia, o dobro da capacidade do Reator Termonuclear Experimental Internacional (ITER, sigla em inglês), que está sendo construído na França.

    Além disso, Pequim pretende realizar uma prova de funcionamento do CFETR antes de os cientistas europeus começarem a construção do primeiro reator termonuclear comercial do mundo, denominado DEMO.

    Mais:

    Ministro alemão cobra pressão sob a China para fazê-la dialogar sobre desarmamento nuclear
    China se junta à 'festa dourada' da Rússia
    China diz ter esperança em resolução breve para guerra comercial com os EUA
    Tags:
    Física Nuclear, energia nuclear, termonuclear, fusão nuclear, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar