06:53 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ferramentas arqueológicas

    Artefato valiosíssimo é encontrado em povoação judaica de 2.000 anos (FOTO)

    CC0
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    481
    Nos siga no

    A Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) anunciou na quinta-feira (4) a descoberta por arqueólogos de artefatos antigos em uma povoação judaica que remontam ao século 1 d.C.

    Uma imagem de um candelabro de 9 braços gravada em uma peça de barro com cerca de 2.000 anos foi encontrada numa povoação judaica na cidade de Bersebá.

    Entre os artefatos que foram achados no local está uma imagem de um candelabro (chanukiá ou menorá) de 9 braços gravada numa peça de barro, assim como vasos e moedas antigas.

    "Esta é provavelmente uma das primeiras representações artísticas de uma chanukiá de nove braços alguma vez encontrada'', disseram o Dr. Peter Fabian da Universidade Ben-Gurion e o Dr. Daniel Ortega do IAA em um comunicado.

    Segundo o Israel Today, de entre os candelabros descobertos poucos tinham imagens de menorás de sete braços. Isto pode estar de acordo com as regras do Talmude, segundo as quais só as menorás colocadas no Templo poderiam ter sete braços. Os candelabros que eram mais utilizados tipicamente tinham de 8 a 11 braços.

    A equipe de arqueólogos também encontrou uma rede de túneis que era provavelmente usada pelos rebeldes judeus por volta do ano 135 d.C, durante a Revolta de Barcoquebas contra o Império Romano.

    Os especialistas também encontraram no lugar aquilo que eles pensam que poderia ter sido um incêndio que ocorreu durante a Primeira Guerra Judaico-Romana, que às vezes é chamada de Grande Revolta Judaica, ocorrida por volta do ano 70 d.C

    Mais:

    Sarcófago lotado de múmias é achado no Egito (FOTOS)
    Raro tesouro com nome bíblico é encontrado por arqueólogos em Jerusalém (FOTOS)
    Especialista revela por que a maioria das estátuas no Egito tem narizes partidos
    Tags:
    arqueólogos, artefato, descoberta, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar