04:54 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Homem tentando tocar mão robótica na Conferência Internacional de Robôs Humanoides em Madri (foto de arquivo)

    Robôs devem realizar mais da metade de todo trabalho em 2025

    © AP Photo / GERARD JULIEN
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    321
    Nos siga no

    Segundo especialista, os robôs podem assumir, em breve, a maior parte do trabalho realizado em todo o mundo.

    A maior parte do trabalho hoje em dia ainda é realizado por humanos (71%), contra 29% do trabalho realizado por robôs. Até 2025, no entanto, esse indicador pode mudar para 48% e 52%, respectivamente, disse à Spuntik a especialista em trabalho e doutora em economia Irina Perova.

    Segundo a especialista, uma grande parte da produção do trabalho deverá ser garantida por novas tecnologias, que "já fazem parte da nossa vida". Segundo ela, nos próximos cinco anos, o desenvolvimento das tecnologias robóticas e das inteligências artificiais possibilitarão a criação de novas 58 milhões de vagas de trabalho para os nossos filhos de lata e silício.

    "Atualmente, as consequências negativas da robotização são atenuadas pelo ritmo relativamente baixo de integração dos robôs. Hoje, a maior parte do tempo de trabalho ainda é executada por forças humanas (71%). Já as máquinas são responsáveis por outros 29%. Até 2025, esse indicador pode mudar pra 48% e 52%, respectivamente. As máquinas realizarão a maior parte do trabalho", alertou Perova.

    Mais:

    'Sextorção': robôs sexuais poderiam ser usados para hackear usuários
    Reino Unido inicia exercícios colossais com robôs de combate (FOTOS, VIDEO)
    Androide Sophia faz história ao receber do Azerbaijão o 'primeiro visto concedido a robôs'
    O que realmente pensam os homens sobre sexo com robôs? (FOTO)
    China pretende converter tanques obsoletos em robôs de combate velozes
    Corvetas russas se transformarão em robôs de combate graças a novo sistema
    Revelado VÍDEO de testes de robôs de combate russos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar