14:42 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Um raio atravessando espaço

    Colisão de estrelas produz raio que atravessa o espaço a velocidade enorme

    CC0 / Pixabay/1980supra
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    381
    Nos siga no

    Astrofísicos usaram os radiotelescópios mais potentes do mundo para "observar" um feixe de matéria que apareceu após a colisão de duas estrelas de nêutrons. Sua velocidade era quase equivalente à da luz.

    Os cientistas começaram a monitorar os restos das estrelas de nêutrons após cerca de sete meses desde a colisão. Para cumprir sua tarefa eles usaram uma rede formada por 32 radiotelescópios.

    As observações mostraram que a fonte de ondas de rádio é extremamente pequena, o que significa uma ejeção de matéria muito rápida e limitada, segundo explicam os autores do estudo.

    Foi em agosto de 2017 que as ondas gravitacionais causadas pela fusão das estrelas atingiram os observatórios LIGO (EUA) e Virgo (Europa). Foi a primeira vez que os cientistas detectaram uma colisão de duas estrelas de nêutrons.

    A equipe de pesquisadores, liderada por Giancarlo Ghirlanda e seus colegas do Instituto Nacional de Astrofísica (INAF) na Itália, demonstrou a existência de um raio que emite tanta energia como toda a produzida por todas as estrelas da nossa galáxia durante um ano inteiro.

    Ao analisar todos os dados disponíveis, os especialistas chegaram à conclusão que, se houvesse algum planeta habitado em torno da área do fenômeno, ele seria perigoso para a vida.

    Assim, os astrônomos concluíram que a fusão de duas estrelas de nêutrons é capaz de produzir um jato de matéria e energia.

    "É muito provável que isto tenha surjido a partir do buraco negro formado pela fusão das duas estrelas de nêutrons. Este jato tem energia suficiente para penetrar através de material espalhado pelas duas estrelas de nêutrons durante a dança que as levou à fusão", acrescentou Giancarlo Ghirlanda.

    Estudos anteriores faziam supor que o fenômeno espacial produzia uma espécie de bolha que se expandia em todas as direções, ou um jato relativista que se expandia a uma velocidade enorme. A recente observação esclareceu o problema e demonstrou a veracidade da segunda hipótese.

    Mais:

    Muito além do Planeta X: astrônomos descobrem objeto mais distante do Sistema Solar
    Astrônomos encontram novo exoplaneta em constelação vizinha
    Asteroide gigantesco faz cientista buscar um meio para evitar colisão devastadora
    Tags:
    raio, alta velocidade, colisão, estrelas, espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar