23:05 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Asteroides em atmosfera da Terra (imagem ilustrativa)

    Bombardeando Terra: por que asteroides começaram a cair com maior frequência? (FOTO)

    © Fotolia / Johan Swanepoel
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    5101
    Nos siga no

    Nos últimos 290 milhões de anos os asteroides começaram a cair com maior intensidade na Terra e na Lua. Após realizar várias análises, os investigadores já podem supor o que teria provocado essa mudança.

    Nas últimas décadas os cientistas têm tentado determinar a frequência com que os asteroides atingem a Terra. Para isso eles determinavam a idade das crateras formadas pela colisão dos corpos celestes com o nosso planeta.

    No entanto, é bastante difícil encontrar crateras na superfície terrestre que tenham mais de 290 milhões de anos de idade. Acreditava-se que as mais antigas simplesmente desapareceram devido a processos geológicos.

    Para resolver esse enigma, os cientistas decidiram estudar "suas congêneres" lunares. De acordo com eles, a frequência com a qual os asteroides começaram a atingir a Terra e a Lua aumentou no mesmo período. Mas, visto que o nosso satélite não está tão sujeito a processos geológicos, nele se conservaram muitas crateras.

    Cientistas estimaram a idade de todas as crateras da Lua. Os pontos azuis marcam as crateras mais jovens, cuja idade não supera 290 milhões de anos. Elas representam a maioria dessas formações na superfície do satélite da Terra
    © NASA . NASA/LRO/USGS/Universidade de Toronto
    Cientistas estimaram a idade de todas as crateras da Lua. Os pontos azuis marcam as crateras mais jovens, cuja idade não supera 290 milhões de anos. Elas representam a maioria dessas formações na superfície do satélite da Terra

    Assim, usando a estação interplanetária Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) da NASA, eles determinaram que as crateras lunares mais antigas, formadas por asteroides, têm cerca de 1 bilhão de anos. Não obstante, na Lua existem poucas dessas crateras. A idade da maioria delas não supera 290 milhões de anos, tal como a das terrestres.

    Segundo a suposição deles, os objetos espaciais, tais como asteroides, terão se tornado mais "ativos" em resultado de uma colisão de corpos celestes no cinturão de asteroides entre as órbitas de Marte e Júpiter há 290 milhões de anos. Desde então, indicam, o número de asteroides que atingem a Terra e a Lua aumentou duas ou três vezes.

    "Podemos dizer que, em tais condições o destino dos dinossauros estava predeterminado", destacou o autor do estudo, Thomas Gernon, da Universidade de Southampton (Reino Unido).

    Mais:

    Asteroide Apophis poderia colidir com a Terra em 2068
    NASA relata passagem de gigante asteroide perto da Terra
    'Viagem inteira em uma FOTO': NASA capta Terra, Lua e asteroide juntos
    Sonda da NASA entra em órbita do asteroide Bennu e estabelece novo recorde
    Tags:
    corpo celeste, planetas, cratera, asteroide, satélite, NASA, Terra, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar