21:28 20 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Pinguim-imperador

    Degelo na Antártica aumentou 6 vezes nas últimas 4 décadas, alertam cientistas

    © AP Photo / John Weller
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    402

    A camada de gelo da Antártica está diminuindo a um ritmo de 252 bilhões de toneladas por ano, o que representa um aumento de seis vezes na taxa desde a década de 80.

    Segundo o relatório da Academia Nacional de Ciências dos EUA (NAS), essa taxa acelerada provoca a elevação dos níveis globais do oceano em 14 milímetros desde 1979.

    "A perda total de massa aumentou de 40 ± 9 Gt/ano [bilhões de toneladas por ano] em 1979-1990 para 50 ± 14 Gt/ano em 1989-2000, 166 ± 18 Gt/ano em 1999-2009, e 252 ± 26 Gt/ano em 2009-2017", informou o estudo na segunda-feira (14).

    "A contribuição para a elevação do nível do mar da Antártica foi de 3,6 ± 0,5 mm [milímetros] por década, com uma acumulação de 14,0 ± 2,0 mm desde 1979."

    O relatório afirma que o aumento do fluxo das geleiras em áreas próximas a águas profundas circumpolares quentes e subsuperficiais, inclusive no leste da Antártica, ocasiona a perda de massa, além de revelar que essa tendência deverá persistir nas próximas décadas devido aos ventos que empurram mais água quente para as geleiras do continente.

    O nível do mar poderia subir quase um metro até o ano de 2100, se não houver um declínio acentuado na emissão global de dióxido de carbono e outros gases do efeito estufa, sugeriram cientistas, que já haviam alertado sobre as consequências terríveis que o mundo poderá enfrentar se a mudança climática persistir.

    Mais:

    Revelado enigma da maior erupção vulcânica na Antártida
    Poderá se desencadear um conflito pelas riquezas da Antártida?
    Cientistas desvendam papel dos lagos subglaciais na Antártida
    NASA encontra na Antártida 2º iceberg retangular perfeito (FOTO)
    Tags:
    geleira, derretimento, gases de efeito estufa, mudança climática, aquecimento global, Antártida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar