00:13 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Urso polar no Ártico (imagem de arquivo)

    Catástrofe climática causará inevitável colapso da civilização, preveem cientistas

    © AP Photo / Subhankar Banerjee, File
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1101

    Independentemente do Acordo de Paris, o processo de derretimento do permafrost não poderá ser interrompido e atingirá as cidades polares da Rússia, Canadá e Estados Unidos, concluem os cientistas.

    Segundo recentes descobertas científicas publicadas em um artigo na revista Nature Communications, mais de 70% da estrutura do permafrost (camada de solo permanentemente congelada nas regiões de altas latitudes) estará condenada, podendo ocasionar uma catástrofe.

    "Nossas observações há muito tempo me convenceram de que o aquecimento global não pode ser fruto da imaginação dos climatologistas, é bem real. Os habitantes do Alasca, por exemplo, já têm que lidar com suas consequências, e no futuro elas se tornarão ainda mais perigosas", disse Vladimir Romanovsky, funcionário do Instituto da Criosfera, filial da Universidade do Alasca, em Fairbanks (EUA).

    O processo de desgelo causará o apodrecimento da matéria orgânica congelada e acumulada durante milhões de anos, o que liberará metano e dióxido de carbono na atmosfera, enquanto o aquecimento global será ainda mais agravado devido a incêndios naturais.

    Os climatologistas vêm alertando para o fato de que o aquecimento do Ártico acabará levando ao desaparecimento das áreas de permafrost que surgiram durante a última glaciação na Sibéria, no Alasca e nas regiões polares do Canadá.

    A fusão dessa camada congelada de solo destruiria as cidades construídas nos territórios de tundra no Ártico russo, canadense, europeu e americano, segundo Romanovsky.

    Nos próximos 30-40 anos, os cientistas estimaram que o derretimento do permafrost afetará mais de metade das cidades árticas de cinco países, independentemente do que a humanidade faça para combater o aquecimento global. Aproximadamente 60-80% dos edifícios residenciais e cerca de um milhão de habitantes do Ártico estarão sob risco.

    Esse processo será especialmente perigoso para a Rússia, pois metade das instalações de produção de petróleo e gás, bem como os pipelines, estão localizados na zona de descongelamento do permafrost. Isso poderia causar enormes prejuízos para as empresas russas, desestabilizando a situação futura na Europa e em todo o mundo.

    O trabalho conjunto de equipes científicas ajudará as autoridades das principais regiões que poderão ser afetadas e a se prepararem para tais eventos, evitando assim mortes em massa e o colapso econômico.

    Mais:

    Aquecimento global afoga história: 10 pérolas do Mediterrâneo que poderão desaparecer
    Aquecimento global poderá 'despertar' peste negra, adverte cientista
    Aquecimento global trará mais desastres naturais para América Latina?
    Contra aquecimento global, Noruega quer investir em aviões elétricos
    Tags:
    desastre natural, permafrost, gelo, derretimento, aquecimento global, Acordo de Paris, Alasca, EUA, Canadá, Rússia, Ártico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik