17:04 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Supernova (imagem ilustrativa)

    Sol moribundo enviará tempestade de nanodiamantes para Terra

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    171

    A Terra e outros planetas do Sistema Solar serão literalmente "aterrados" por enormes quantidades de areia, nanodiamantes e minerais, produzidos nos últimos momentos da vida solar. Mas qual será destino dos planetas?

    Confira a conclusão de cientistas publicada na revista MNRAS.

    "Mostramos que as explosões de supernovas eram umas das fontes de poeira e outra matéria sólida no Universo jovem. Foi revelado que nem todas as suas partículas se destroem por onda de choque surgida após a morte de uma estrela, aproximadamente 20% sobrevivem", escrevem os astrônomos.

    Explosão estelar

    Segundo teorias modernas, daqui a uns 4,5 ou 5 bilhões de anos, o "combustível nuclear" — reservas de hidrogênio — do Sol irá se esgotar, fazendo com que a estrela passe a queimar hélio. Como resultado, o núcleo atingirá uma temperatura extremamente alta, enquanto suas camadas serão ampliadas ao ponto de absorver Vênus e Mercúrio, convertendo a Terra em uma esfera incandescente sem vida.

    Ao espalhar todos os gases, o Sol finalmente se tornará uma anã branca — corpo celeste pequeno, mas muito quente que continua brilhando graças ao resto da energia preservada no antigo núcleo. Esse brilho irá iluminar nuvens gasosas ao redor, convertendo-as em uma mancha brilhante no céu noturno de outros mundos, ou seja, em uma nebulosa planetária.

    Em se tratando do destino proposto do Sol, de acordo com Jeonghee Rho do Instituto de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI), hoje em dia todos têm certeza, visto que somente nos últimos anos astrônomos encontraram centenas de nebulosas planetárias e milhares de explosões de supernovas.

    No entanto, o destino dos planetas que sobreviverão ainda é uma grande questão, incluindo o da Terra.

    Mundos desérticos do Sistema Solar

    Para determinar o possível desenvolver da situação, os autores do artigo analisaram os restos de supernovas recém-descobertas — Cas A, que apareceu no céu noturno em 1667 e sua "irmã maior", o G54.1+0.3 que foi encontrada em 1985, mas explodiu há três séculos.

    Os astrônomos descobriram que a massa de poeira nessas supernovas seja significativamente maior do que acreditado anteriormente, dando chance de supor que os mundos ao seu redor tenham sido cobertos completamente por poeira e outros minerais, emitidos no momento da explosão.

    Visto que essas estrelas eram muito parecidas com o Sol em tamanho e estrutura, provavelmente, após a morte do nosso astro solar, a Terra e Marte, bem como os planetas mais afastados do Sistema Solar, se tornarão mundos desérticos, cobertos por nanodiamantes e coríndones — minerais a base de óxido de alumínio.

    Mesmo assim, a habitabilidade não será alterada fortemente. A propagação de camadas e o aumento da luminosidade do Sol serão responsáveis pela extinção de vida na superfície do nosso planeta muito antes disso, visto que toda a água e ar desaparecerão.

    Mais:

    Finalmente em Marte: sonda da NASA capta primeiras FOTOS da superfície do Planeta Vermelho
    Ameaça de fora: NASA adverte sobre aproximação de 2 asteroides enormes
    Nova missão da NASA pretende provar que Marte era habitável
    'Sol artificial' chinês bate recorde e supera várias vezes a temperatura da Estrela-mãe
    Tags:
    poeira, diamante, vida, estrelas, morte, explosão, Sistema Solar, Sol, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik