13:09 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Marte (foto de arquivo)

    Sonda da NASA se aproxima de Marte para mapear seu interior

    CC BY 2.0 / Kevin Gill / Mars
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    152

    A sonda InSight, equipada com uma broca de quase 5 metros de comprimento e um sismógrafo, está se aproximando de Marte para iniciar uma missão de dois anos para mapear o interior do planeta, na tentativa de compreender como os planetas do Sistema Solar se formaram há mais de 4 bilhões de anos, informaram cientistas da NASA.

    "A InSight vai explorar o interior profundo de Marte desde a crosta até o centro do planeta. Na verdade, é a primeira missão a ir e observar profundamente o interior de um outro planeta rochoso que não seja a Terra", disse Bruce Banerdt, o principal pesquisador da missão InSight, na quarta-feira (31).

    Diferente de sondas anteriores, a InSight permanecerá em uma posição a partir da qual a espaçonave implantará um sismógrafo na superfície do planeta para medir os chamados "marsquakes" (vibrações de terremotos de Marte) e uma broca projetada para penetrar o solo marciano a uma profundidade de 3 a 5 metros, explicaram os cientistas da NASA.

    Ao estudar o tamanho, espessura, densidade e estrutura geral da crosta, núcleo e manto do Planeta Vermelho, assim como a taxa na qual o calor escapa do interior do planeta, a missão da InSight fornecerá relances dos processos evolutivos de todos os planetas rochosos no Sistema Solar, incluindo a Terra, segundo uma visão geral da agência espacial norte-americana. 

    A InSight está programada para pousar em Marte em 26 de novembro e começará a enviar dados para os próximos dois anos, anuncia a NASA.

    Mais:

    Novo foguete superpesado russo permitirá voos a Marte
    Mercúrio é o planeta mais misterioso do Sistema Solar; entenda por quê
    Descoberta a maior e mais antiga estrutura astronômica do Universo (VÍDEO)
    Tags:
    estudo, planetas, mapa, sonda, NASA, Terra, Sistema Solar, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik