12:42 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Imagem do Universo

    Astrônomos descobrem dezenas de novos 'sinais extraterrestres'

    CC BY-SA 2.0 / John Smith / universe
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    271

    Astrônomos australianos dobraram o número das chamadas rajadas rápidas de rádio (FRB, na sigla em inglês), uma espécie de sinais de rádio extraterrestres, abrindo duas dúzias de novas fontes desse tipo em galáxias distantes.

    Os resultados das observações foram apresentando na revista Nature.

    "Ainda não sabemos em quais galáxias e partes do Universo surgem essas rajadas. Quando as versões completas de SKA e ASKAP [telescópios de rádio] começarem a operar, poderemos localizar sua posição […] para entender exatamente onde ocorre cada rajada", disse Ryan Shannon da Universidade de Tecnologia de Swinburne (Austrália). 

    A primeira vez que astrônomos começaram a falar sobre a existência de misteriosas manifestações de emissões de rádio foi em 2007, quando acidentalmente observaram pulsos de rádio usando o observatório de telescópio de rádio Parkes.

    Nos anos seguintes, os cientistas conseguiram encontrar vestígios de outras nove explosões que, mediante comparações, poderiam ser de origem artificial ou potencialmente representar sinais de civilizações extraterrestres devido à inexplicável periodicidade em sua estrutura. 

    Posteriormente, astrofísicos perceberam que as rajadas se repetiam e revelavam propriedades incomuns incomparáveis com as versões de que eram naturais. 

    Shannon e seus colegas dobraram o número de "sinais extraterrestres" observando o céu noturno com o telescópio ASKAP que, segundo os cientistas, terá a tarefa de buscar as fontes de onde se originaram as rajadas rápidas de rádio. 

    Os cientistas notaram duas dúzias de novos sinais em apenas um mês e meio de observação, dobrando o número de explosões descobertas nos últimos 10 anos. 

    Para isso, eles organizaram seis placas do ASKAP para cobrir uma área de cerca de 240 graus quadrados, que corresponde a mil vezes o tamanho da Lua no céu noturno. Esse procedimento reduziu a precisão da localização das fontes de sinais de rádio, mas ampliou drasticamente a probabilidade de sua detecção. 

    Nenhuma das duas dúzias de novas explosões foi encontrada novamente no decorrer das observações repetidas, o que indica seu caráter solitário. Por outro lado, o estudo de seu espectro mostrou que todas essas explosões foram muito além dos limites da nossa galáxia. Isso mais uma vez excluiu os pulsos e outras fontes de ondas de rádio de baixa potência como um possível progenitor "natural" desses sinais.

    Mais:

    Astrônomos norte-americanos começam busca por alienígenas em galáxia vizinha
    Colisões estrelares podem ser um meio para entrar em contato com alienígenas
    Arquivos secretos: Londres receava que URSS e China obtivessem tecnologias alienígenas
    Tags:
    extraterrestre, sinais, explosões, telescópio, estudo, Universo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik