13:06 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Seca

    Cientistas predizem chegada inevitável de secas catastróficas

    CC BY-SA 2.0 / Carlos Adampol Galindo / Aridez do terreno de Regresso a Uyuni, Bolívia
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    180

    Cientistas chineses revelam quais regiões do planeta são mais vulneráveis a secas causadas pelo aumento global de temperaturas médias. Isso, por sua vez, pode limitar o acesso à água por toda a Terra.

    Segundo comunicado no portal Phys.org, na avaliação de como as temperaturas globais interferem no acesso à água, pesquisadores utilizaram um modelo teórico que descreve os estados do ciclo de água na natureza em condições climáticas normais, chegando ao resultado do que aconteceria com o ciclo em diferentes cenários em conformidade com o Acordo de Paris, que tenta limitar o aumento das temperaturas a 1,5 grau Celsius.

    Caso o objetivo seja atingido, a redução de água será moderada em várias partes do mundo. No entanto, especialistas destacam que as regiões mais influenciadas serão a Ásia Setentrional, África Meridional, Europa Meridional, Mediterrâneo, Groenlândia, Islândia e Alasca. 

    Ao mesmo tempo, em caso de um aumento mais significativo de temperatura média, os recursos aquáticos se esgotariam ao redor do globo, afetando pelo menos 117 milhões de pessoas.

    Em setembro, um grupo de pesquisadores internacional revelou que o derretimento do permafrost (camada de solo permanentemente congelada) e a emissão de carbono — devido ao degelo — reduziram o orçamento de dióxido de carbono a quase zero. Segundo estudo, exceder o volume de emissões de gases do efeito estufa poderia causar inevitavelmente uma catástrofe climática.

    Mais:

    Seca extrema: catástrofe climática afeta vários cantos do mundo
    Sapos se casam na Índia para acabar com a seca (FOTOS)
    Netanyahu promete salvar milhões de iranianos da seca e da fome
    Tags:
    recursos naturais, aquecimento global, água, seca, Acordo de Paris, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik