17:07 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2120
    Nos siga no

    Um grupo de arqueólogos russos descobriu a necrópole mais antiga de Altai. Os restos mortais encontrados datam do período neolítico e foram enterrados em uma das regiões mais atraentes da Sibéria, em um alto promontório do rio Chumysh.

    Os arqueólogos da Universidade Estatal de Altai se interessaram inicialmente por esse promontório não por razões científicas, mas econômicas: por aqui passará um gasoduto da Rússia à China, por isso, de acordo com as leis russas, o terreno deve ser explorado em busca de antiguidades.

    E, na verdade, este ano foram descobertos ossos com oito mil anos de idade. Eles pertenciam a pessoas que foram enterradas de costas, cercadas por oferendas funerárias: ferramentas de pedra, objetos de osso e muitas joias feitas de pedras e ossos (em sua maioria dentes perfurados de animais).

    Entre os artefatos, provavelmente sacrificados, foi encontrado uma peça de escultura de pedra em forma de peixe.

    "Há muitas [esculturas desse tipo] perto de Baikal, mas até agora eles não foram encontradas em nossa região. Eram usados, supostamente, como acessórios para a pesca, como uma isca e também na esfera ritual", disse o professor da Universidade Estatal de Altai, Sergei Grushin, citado pelo portal Altapress.

    Mais uma descoberta interessante foi o túmulo de um homem que tem perto da sua mão um bastão de osso, feito de uma costela de alce. O objeto está decorado com a cabeça esculpida de um alce. De acordo com Grushin, durante o período neolítico, o alce era objeto de caça.

    O promontório nas margens do Chumish foi usado por diferentes gerações, que costumavam escolher esse lugar pitoresco para seus enterros. Nessa zona arqueológica foram descobertos restos de habitantes do neolítico, bem como da Idade do Bronze e do Ferro.

    ​O enterramento mais recente data do século VI d.C. e está associado a uma comunidade nómade. Uma dúzia de túmulos de crianças e mulheres está agrupada em torno de um guerreiro com um cavalo, arco com flechas e uma faca de ferro.

    Perto dele foi encontrado o túmulo de uma mulher, batizada pela imprensa local como a "princesa de Chumysh".

    Até hoje se conservou sua banda de couro decorada com pendentes e placas de bronze para adornar a cabeça, bem como o cabelo entrançado e elementos de roupa de couro e feltro.

    Mais:

    Coreia do Norte: EUA escavam túmulo para si mesmos com suas próprias mãos
    Túmulo de Jesus foi aberto pela primeira vez em 500 anos
    Descoberta do século: antigo túmulo maia encontrado após cem anos de buscas
    Tags:
    túmulo, cientistas, arqueólogo, Sibéria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar