08:52 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Crânio de um animal (imagem referencial)

    Fósseis do período glaciar foram encontrados em cavernas subaquáticas no México (FOTOS)

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    140

    Um grupo de cientistas dos EUA e do México conseguiram extrair fósseis do período glaciar do fundo de Hoyo Negro (Buraco Negro), uma caverna subaquática localizada no México.

    Há milhares de anos, as cavernas (agora inundadas) da Península de Iucatã serviram de passagens para os seres humanos e animais do último período glaciar. No entanto, muitas criaturas infelizes acabaram mortas por terem caído no fundo de Hoyo Negro.

    ​Os cientistas mergulharam no fundo da caverna e extraíram restos arqueológicos de várias espécies da época do Pleistoceno. Os restos encontrados datam de há aproximadamente 13 mil anos.

    O grupo conseguiu recuperar os restos de três ursos-beiçudos gigantes (incluindo uma espécie completamente nova), ursos-de-face-curta, leões da montanha, tigres-dente-de-sabre, um gonfotério (parente do elefante), tapires e mesmo um ser humano.

    "A preservação dos materiais fósseis é extraordinária e nos permitirá reconstruir vários aspetos da anatomia, das relações evolutivas e do comportamento [dos seres vivos da época]. A diversidade da fauna nos mostra uma imagem nova e emocionante dessa região no meio de uma rápida alteração climática e ambiental", explicou Blaine Schubert, um dos pesquisadores do projeto, ao portal PhysOrg.

    Schubert apresentou as conclusões das pesquisas na reunião anual da Sociedade de Paleontologia de Vertebrados, realizada em Calgary, Canadá, em 17 de agosto de 2017.

    Mais:

    Descoberta incrível: Cientistas revelam que exoplaneta parecido com a Terra tem atmosfera
    Vala comum com 4.000 corpos é descoberta no Iraque
    Ataque em Berlim: autoridades confirmam descoberta de impressões digitais de suspeito
    Tags:
    restos mortais, período glacial, arqueologia, descoberta, cientistas, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik