07:42 10 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Geólogos e climatologistas analisaram a história climática do Oriente Médio durante os últimos 130 mil anos e chegaram à conclusão que a seca atual continuará por mais de uns 10 mil anos, diz um artigo publicado no Journal of Quaternary Science.

    "Os governos dos países do Oriente Médio preferem acreditar que o clima atual é uma anomalia temporária e que a água voltará à região no futuro próximo. Nosso estudo mostra que, na verdade, a situação é a contrária e que no futuro o nível de precipitações continuará diminuindo ainda mais, enquanto as tempestades mediterrâneas, a fonte principal de precipitação na região, se tornarão ainda mais raras", diz o cientista Sevag Mehterian da Universidade de Miami (EUA).

    Muitos climatologistas e historiadores procuram entender como as mudanças climáticas no passado, e até nas últimas décadas, podem ter influenciado a história. Por exemplo, acabaram por descobrir há pouco que a baixa de temperatura no século sétimo podia ter causado a epidemia de peste no Império Bizantino e no século XIII ter feito com que os mongóis parassem seu avanço pela Europa.

    O último acontecimento deste tipo, segundo alguns cientistas, é a Primavera Árabe e as guerras no Oriente Médio, provocadas pela seca que começou em 2009, e a posterior falta de alimentos e produtos essenciais.

    Sevag Mehterian e seus colegas descobriram que a seca atual tem raízes históricas muito profundas após terem analisado a composição das estalagmites na caverna de Qal'e Kord, no noroeste do Irã.

    Como explicam os especialistas, as estalagmites são formadas sem interrupção dentro de cavernas pela água que corre pelas paredes e teto das cavernas. Esta água, por sua vez, cai nas cavernas vinda da superfície e sua composição de isótopos reflete o clima que dominava na região em certa época.

    Tendo analisado a história da formação de estalagmites nos últimos 130 mil anos, os cientistas viram oscilações do clima surpreendentes, que coincidiram com os dados das amostras obtidas do gelo da Groenlândia. Isso significa que os climas no norte do oceano Atlântico e no Oriente Médio estavam interligados e eram controlados pelos mesmos processos.

    Estas oscilações climáticas, causadas supostamente por mudanças no movimento da Terra ao longo de sua órbita ou por oscilações no movimento das correntes no oceano, faziam com que o clima do Oriente Médio mudasse a cada vários milhares de anos de relativamente úmido e frio para quente e árido.

    No momento, de acordo com as observações de Mehterian e seus colegas, o Oriente Médio acabou de entrar em outra fase "seca", que durará aproximadamente 10 mil anos. Por isso, é pouco útil esperar que os problemas de acesso à água se resolvam por si mesmos nos próximos anos, concluem os cientistas.

    Mais:

    Oriente Médio pode enfrentar conflito armado em grande escala, caso Qatar 'desobedeça'
    Grande inundação: que esperar do aquecimento global?
    Tags:
    mudanças climáticas, anomalia, seca, Oriente Médio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar