01:20 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Ao observar exoplanetas já descobertos, planetólogos conseguiram revelar que surgimento de planetas pequenos e grandes ao redor de estrelas diferentes não acontece por acaso, pois depende da quantidade de metal que compõe o corpo celeste brilhante.

    "Investigando dados já publicados sobre exoplanetas, nós desvendamos que planetas gigantes, tais como Júpiter e seus 'irmãos grandes', cuja massa supera milhares de vezes a da Terra, surgem a condições completamente diferentes em comparação com sósias pequenos da Terra e pequenos gigantes gasosos. Assim, existem duas populações distintas de planetas", explica o investigador da Universidade do Porto (Portugal), Vardan Adibekyan.

    Nos últimos dez anos, astrônomos descobriram milhares de exoplanetas, ou seja, que se encontram fora do nosso Sistema Solar. Uma parte deles é semelhante à Terra em termos de tamanho, enquanto outra parte — é mais parecida com pequenos ou grandes cópias de Júpiter.

    Junto com seus colegas, Adibekyan determinou algumas regras de surgimento de ambos os grupos de corpos celestes, depois de analisar caraterísticas de mais de 3,5 mil exoplanetas através do telescópio espacial Kepler e de outros observatórios, diz o artigo publicado na revista Astronomy & Astrophysics.

    Pintura do exoplaneta KELT-9b (um dos exoplanetas mais quentes do universo) que está localizado muito perto da sua estrela
    © NASA . NASA/JPL-Caltech
    Pintura do exoplaneta KELT-9b (um dos exoplanetas mais quentes do universo) que está localizado muito perto da sua estrela

    Assim, os astrônomos descobriram que os "primos" dos grandes planetas do nosso Sistema Solar, possuem sois que carecem de metal em sua composição química, bem como de elementos mais pesados do que hidrogênio ou hélio. Entretanto, segundo os pesquisadores, os planetas menores surgiram nos arredores de estrelas que possuem a mesma quantidade de metais do que o nosso Sol, ou ainda mais.

    A regra pode estar ligada às órbitas: quanto menor a quantidade de metal da estrela, mais afastados estão os explanetas dela. 

    Os planetólogos destacam que tudo isso pode explicar por que os "sósias" da Terra e outros planetas pequenos formam-se nos arredores de anãs vermelhas ou outras estrelas pequenas, cujos núcleos costumam conter mais metais do que estrelas grandes. Se a teoria for provada, haverá mais certeza onde é melhor buscar os sósias genuínos da Terra e até mesmo vida inteligente extraterreste.

    Mais:

    Saiba o único meio eficaz de lutar com asteroides
    Pesquisa dissipa dúvidas sobre a existência de vida em lua de Saturno
    Calor e muito ácido: Terra pode virar Vênus graças a Trump, diz Hawking
    Cientistas resolveram um dos principais problemas do voo a Marte
    Tags:
    Portugal, Porto, Terra, Júpiter, Sistema Solar, estrelas, estrela anã, planetas, metal, sócio, gigante, teoria, descoberta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar