10:22 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Asteroide no espaço

    Americanos querem enviar missão ao asteroide do Armagedom

    © Foto: University of Warwick / Mark A. Garlick
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2887381

    Estudantes do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT em inglês) desenvolveram o projeto de uma nova missão a um asteroide que pode ser enviada em 2026 pela NASA ao asteroide Apophis, um dos objetos mais perigosos do espaço próximo, informa o site Space.com.

    O Asteroide 2004 MN4, ou Apophis, foi chamado em nome do vilão do seriado Stargate: SG1. Durante muito tempo ele foi tratado como o asteroide mais perigoso para a humanidade, bem como para toda a vida terrestre. Este corpo celestial é bastante grande: o diâmetro dele é de cerca de 320 metros, seu peso alcança de 20 a 40 milhões de toneladas. Se ele colidir com a Terra, isso pode provocar a extinção de várias espécies.

    Como informa o site, a equipe de 20 estudantes e dois professores do MIT desenvolveu os planos detalhados para a criação de uma sonda que possa ser enviada ao asteroide no momento da aproximação máxima com a Terra para medir com exatidão o peso, forma, densidade, velocidade da rotação e outras características físicas.

    Este aparelho espacial, segundo explicam os cientistas, combina não só as características de missão cientifica, que se parece com o projeto OSIRIS-REx, que foi enviado a outro asteroide perigoso, o Bennu (1999 RQ36), mas também elementos de defesa planetária, que poderia avaliar o nível de ameaça do asteroide e buscar maneiras para sua eliminação.

    O projeto mencionado já atraiu a atenção da NASA e o chefe do departamento de defesa planetária Lindley Johnson declarou que os planos dos estudantes e seus professores já podem ser enviados como proposta para a nova missão da NASA.

    Mais:

    China quer fazer pousar sonda em asteroide
    O que aconteceria se um asteroide atingisse Berlim ou Londres?
    Tags:
    espaço, missão, colisão, asteroide, NASA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik