06:27 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Imagem feita pela sonda New Horizons mostra Júpiter e sua lua vulcânica Io

    NASA registra ondas enormes na maior cratera vulcânica da lua de Júpiter (VÍDEO, FOTO)

    © NASA . /Johns Hopkins University
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1071

    Acredita-se que o satélite de Júpiter, Io, seja o corpo celeste com maior atividade vulcânica do nosso Sistema Solar. Sua superfície possui crateras numerosas, e uma delas representa um lago vulcânico gigantesco, Loki, onde os astrônomos observaram ondas de lava que coalizam no centro desse oceano de magma.

    "Se a cratera Loki na verdade for um mar de lava, ela abrange um milhão de vezes mais espaço do que os lagos de magma comuns da Terra", Katherine de Kleer, pesquisadora da Universidade da Califórnia, escreveu em um artigo para a revista científica Nature.

    O satélite do planeta gigante, Io, foi descoberto pelo astrônomo Galileu Galilei em 1610, bem como três outras luas de Júpiter — Europa, Ganimedes, Calisto. A lua Io é considerada o corpo celeste com maior atividade vulcânica do Sistema Solar.

    Cientistas explicam a atividade tectônica superativa pelo aquecimento do seu núcleo devido ao efeito gravitacional de Io, Júpiter e suas duas luas "vizinhas" — Europa e Ganimedes.

    Planetólogos já provaram que a cratera em questão não se trata de um supervulcão, e sim de um lago especial cheio de magma. A cratera Loki tem cerca de 200 km de diâmetro e é coberta por uma camada fina de magma solidificada, sendo, assim, dificilmente vista pelos telescópios terrestres, com exceção dos telescópios de rastreamento infravermelho.

    Graças à descoberta, cientistas revelaram a instabilidade da superfície da lua de Júpiter. Pesquisadores acreditam que as mudanças de sua aparência estejam ligadas à rotação específica de lava no seu núcleo.

    Os dados, recebidos por telescópio infravermelho, revelaram que a temperatura da superfície de Loki aumentou constantemente de uma extremidade à outra e que a lava formou duas ondas, que "varrem" a cratera na direção de oeste para leste e "percorrem" uma distância de aproximadamente um quilômetro por dia.

    Vale destacar que as ondas de magma em questão se movem com velocidades diferentes, indicando uma distinção de composição química do magma em várias partes da cratera, acreditam os pesquisadores.

    Mas essa hipótese poderá ser testada somente em 2021, quando Europa e Io se encontram mais uma vez. Ao mesmo tempo, NASA planeja enviar para Io a sonda Io Volcano Observer, cujo encontro com o satélite de Júpiter está marcado para 2026.

    Crateras com lava na superfície de Io, lua de Júpiter
    Crateras com lava na superfície de Io, lua de Júpiter

     

    Mais:

    NASA captura Júpiter em alta precisão quando ele se aproximou da Terra (VÍDEO)
    Todos os olhos em Júpiter: NASA publica imagens deslumbrantes do planeta gigante (FOTOS)
    Gravidade de Júpiter e Saturno origina manchas misteriosas em Ceres
    Agentes secretos em Júpiter: por que CIA contratou parapsicólogo lendário?
    Tags:
    ondas, vulcão, cratera, lava, planeta, satélite, lua, Universidade da Califórnia, NASA, Júpiter, Terra, Sistema Solar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik