03:15 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Uma imagem de Crab Nebula (que é restos expandidos de uma supernova) tirada pelo telescópio Hubble.

    Colisão de estrelas 'bebês' faz lembrar magníficos fogos de artifício

    © NASA . ESA/Universidade Estatal de Arizona
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    220

    Olhe só este par de "bebês"! Cientistas da Universidade do Colorado observaram uma colisão entre duas protoestrelas “bebês” que causou uma explosão assustadora, remodelando toda a nuvem molecular que deu origem a elas.

    Ambas as protoestrelas se formaram há cerca de 100 mil anos em uma "creche estelar" na Nebulosa de Órion (OMC-1) à distância de uns 1.500 anos-luz da Terra. Lor volta do século XVI, estas duas protoestrelas colidiram e causaram uma explosão, que espalhou o resto da "creche" por toda a nebulosa. Ao longo dos séculos seguintes, a explosão ocorrida soltou tanta energia quanto o Sol emitiria no decorrer de 10 milhões de anos.

    "O que nós observamos nesta creche estelar uma vez calma é uma versão espacial dos fogos de artifício em 4 de julho [Dia da Independência dos EUA], com flâmulas disparando em todas as direções", disse o autor sênior John Bally, cuja equipe publicou suas descobertas no periódico Astrophysical Journal nesta sexta-feira (7).

    As observações foram conduzidas no âmbito do Atacama Large Millimeter Array (ALMA), o rádio-observatório chileno.

    As nuvens moleculares são os lugares onde as estrelas se formam, à medida que quantidades insondáveis de pó espacial se reúnem em um ponto. Estas estrelas jovens, que continuam sendo "amamentadas" por seus parentes-nuvens moleculares são chamadas de protoestrelas. Entretanto, elas ainda irão passar por um processo de fusão nuclear, e podem ser consideradas como estrelas genuínas apenas depois de se libertarem das suas nuvens moleculares e pegarem fogo.

    ​Acredita-se que a OMC é a mais conhecida destas "creches" estelares e pode ser claramente observada no céu noturno como parte da constelação de Órion.

    Nos últimos anos, os astrônomos se têm vindo a interessar cada vez mais por estas estrelas "bebês". Antigamente, elas eram pequenas e fracas demais para serem estudadas em detalhe, particularmente porque uma nuvem molecular podia bloquear a vista.

    Com o desenvolvimento dos telescópios e outros equipamentos, o estudo das protoestrelas se torna mais fácil.

    "Embora sejam voláteis, as explosões de protoestrelas podem ser relativamente comuns", disse Bally. "Ao destruir sua nuvem-parente, como aconteceu no caso da OMC-1, tais explosões também podem ajudar a regular os ritmos de formação de estrelas nestas gigantescas nuvens moleculares", adiantou.

    "As pessoas frequentemente associam as explosões estelares com estrelas antigas, tais como a eclosão de uma estrela decadente, ou com a morte de uma supernova, estrela extremamente maciça, que é ainda mais espetacular. O ALMA nos deu novas visões sobre as explosões que mostram outros ciclos da vida estelar, ou seja, o nascimento de uma estrela", explicou Bally.

    Mais:

    Estudante de 17 anos encontra e corrige erro crasso em dados da NASA
    Mistério do TRAPPIST-1: NASA confirma possibilidade de vida em 3 planetas (FOTO, VÍDEO)
    Sonda da NASA encontra 'fontes' de bolhas nos mares de Titã (VÍDEO)
    Tags:
    constelação, universo, explosão, estrelas, Chile, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik