05:54 19 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    233
    Nos siga no

    Se você é um homem entre 20 e 45 anos de idade, tem um índice de massa entre 22 e 27, pode se gabar de saúde perfeita e pratica alguma atividade física regular, você se encaixa perfeitamente nesta vaga de emprego.

    O Instituto Espacial de Medicina e Fisiologia de Toulouse está a procura de voluntários que estão dispostos a passar dois meses na cama para avaliar os efeitos da gravidade zero ao corpo humano. Em compensação, os organizadores oferecem 16.000 euros (cerca de 53.000 reais) pela participação.

    "Durante as primeiras duas semanas, nossos cientistas farão uma série de provas com os voluntários. Depois, os voluntários passarão o período de 60 dias na cama. Durante estes dois meses, os candidatos deverão estar com a cabeça ligeiramente inclinada para baixo em um ângulo de 6 graus", explicou o doutor Artaud Beck, coordenador do experimento, ao jornal francês 20 minutes, adicionando que depois dos 2 meses, será dado início ao período de recuperação – 15 dias.

    O experimento, chamado "Cocktail" e financiado pela Agência Espacial Europeia (ESA), será realizado entre setembro e novembro, mas a primeira fase já começou em 15 de janeiro, durante a qual 10 pessoas permaneceram deitadas por dois meses com uma inclinação de seis graus para simular a ausência de gravidade na Estação Espacial Internacional (EEI).

    Certamente, o experimento é muito mais difícil do que parece. Artaud Beck adverte que os participantes do projeto deverão comer, tomar banho e fazer todas as suas necessidades deitados. "A norma é clara: eles têm de manter pelo menos um ombro em contato com a cama", destacou ele.

    Durante o experimento, os voluntários sentirão os mesmo sintomas enfrentados pelos astronautas: perda de densidade óssea e muscular nas extremidades inferiores.

    Tags:
    saúde, gravidade zero, Estação Espacial Internacional (EEI), Agência Espacial Europeia (ESA), França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar