00:07 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Radiotelescópio

    Cientistas captam sinais de rádio inéditos provenientes do espaço

    © AFP 2019 / MARTIN BERNETTI
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    18262

    Cientistas australianos revelaram que os sinais recebidos têm origem extraterrestre.

    Os sinais têm intrigado os cientistas desde seu primeiro surgimento há 10 anos. 

    As curtas emissões de rádio são difíceis de estudar por aparecerem e desaparecerem muito rapidamente.

    Por isso, os cientistas não têm muita informação sobre a sua origem mas novos dados indicam que podem ser provenientes de uma nave estelar cósmica ou de uma galáxia distante. 

    Pesquisadores da Universidade Nacional da Austrália e Universidade de Tecnologia de Swinburne detectaram três sinais misteriosos através do radiotelescópio em Camberra, Austrália, comunica a DailyStar

    "Os radiotelescópios convencionais com antena têm dificuldades em captar transmissões com origem para além da atmosfera da Terra", acrescentou o professor Matthew Bailes. 

    Anteriormente, os cientistas supuseram que os sinais não seriam provenientes do espaço mas sim de alguma interferência local que estivesse confundindo os astrônomos. 

    No entanto, esta teoria foi desmentida porque surgiram descobertas que apontam para o espaço. 

    "Os sinais de rádio são claramente perceptíveis dada a sua curta duração e origem a grande distância. Não identificamos qualquer origem natural plausível. A origem artificial deve ser considerada e verificada", comunica Avi Loeb, especialista de Harvard.

    Avi Loeb acredita que estes sinais podem ter sido enviados por transmissores gigantescos, utilizados para garantir o funcionamento de aeronaves extraterrestres. 

    Mais:

    NASA revela por que fazer sexo no espaço é uma má ideia
    Como NASA evita impactos catastróficos no espaço
    Tags:
    pesquisa científica, sinal, astronomia, radiotelescópio, extraterrestre, transmissão, cientistas, espaço, Universidade Nacional da Austrália, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar