03:46 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Co-criador da empresa Instagram Kevin Systrom durante lançamento de Instagram Direct, criado para troca de mensagens

    Especialistas acreditam: Instagram morreu

    © AFP 2017/ Emmanuel Dunand
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 204433

    O popular site norte-americano Mashable escreveu dois dias atrás o necrológio à rede social Instagram e errou, mas não completamente.

    Segundo divulga o novo artigo, os especialistas em tecnologia acreditam que o aplicativo para partilhar fotos e vídeos curtos já não é o mesmo.

    O aplicativo está introduzindo e testando cada vez mais funções. O que começou em 2010 como páginas privadas com fotos quadradas e um número limitado de filtros agora permite partilhar fotos em qualquer formato, vídeos curtos, histórias de fotos e vídeos que desaparecem um dia mais tarde, e até serviço de mensagens privadas.

    Enquanto a direção da rede social acredita que está desenvolvendo sua empresa e melhorando a experiência digital para usuários, o autor de um dos recentes artigos, Raymond Wong escreve:

    "Eu argumentaria também que o Instagram foi destruído há muito tempo".

    Os críticos das várias mudanças introduzidas ao aplicativo dizem que estas fazem o Instagram perder seus traços únicos e se parecer mais com outras redes sociais, tipo Facebook ou Snapchat.

    De acordo com o artigo, no momento a equipe está testando a introdução de álbuns de fotos e vídeos. Assim, o Instagram se torna cada vez mais uma plataforma para partilhar tudo, o que, segundo o autor, é exatamente o que o presidente executivo da empresa, Kevin Systorm, quer que ele seja.

    Mas, no final, como sempre acontece com qualquer rede social, será o público que vai decidir o destino do aplicativo. Pode ser que já seja o tempo apropriado para mencionar o destino triste do outrora poderoso MySpace?

    Mais:

    Russas provocam agitação em Dubai (FOTOS, VÍDEO)
    Tags:
    aplicativo, redes sociais, opinião, Instagram, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik