01:45 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    230
    Nos siga no

    Cientistas norte-americanos sintetizaram uma substância pegajosa com que eles querem dotar os soldados dos EUA.

    Um grupo de cientistas militares da Marinha dos EUA conseguiu sintetizar o muco de mixinídeos, animais aquáticos anguilliformes desprovidos de coluna vertebral e também conhecidos como peixe-bruxa.

    Esse muco é utilizado pelos mixinídeos para se defenderem de inimigos. Quando eles são atacados por outro animal, eles emitem o muco para colar a boca do inimigo e se evadirem.

    O muco de mixinídeos se revelou eficaz por comparação com a seda de aranha. É por isso que os militares decidiram examina-lo e sintetiza-lo. O objetivo final dos pesquisadores consiste em equipar forças armadas com uma substância que servirá para aumentar a proteção dos soldados norte-americanos.

    Assim, o muco pegajoso se forma quando a água do mar entra em contato com elementos liberados pelo mixinídeo, que se dissolve rapidamente na água e forma uma camada espessa de muco e fios fibrosos ricos em filamentos intermediários. Quando todo este conjunto de fios gelatinosos entra em contato com a água do mar, a cola que os junta se dissolve e libera a energia elástica dos filamentos intermediários.

    Após ter analisado as vantagens dessa substância, os cientistas Ryan Kincer e Josh Kogot conseguiram sintetizar este muco com ajuda do bacilo intestinal.

    "As possibilidades para utilização de tal muco são múltiplas. Nosso objetivo é criar uma substância baseada neste muco que possa proteger nossos soldados", declarou Kogot.

    Os cientistas tencionam continuar analisando a substância para descobrir algumas novas aplicações para ela.

    Mais:

    É interessante: Cientistas russos criam tecnologia para produzir objetos invisíveis
    Cientistas decifram sinal de outra galáxia
    Tags:
    mar, substância, equipamento, aranhas, ciência, estudo, militar, cientistas, Marinha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar