22:53 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Satélite dos EUA

    Satélite supermoderno dos EUA está pronto para vigiar o planeta

    CC BY 2.0 / Força Aérea dos EUA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    334

    O novo sistema de infravermelhos espacial (SBIRS, na sigla em inglês) da Força Aérea dos EUA será colocado em órbita nesta quinta-feira (19), anunciou a empresa contratada pela Lockheed Martin em comunicado.

    De acordo com o documento, os satélites SBIRS foram concebidos como "uma nova etapa na construção dos satélites da Força Aérea dos EUA, garantindo a vigilância multimissão nas áreas de alerta de mísseis, defesa antimísseis, inteligência técnica e prováveis zonas de combate".

    Assim que que o sistema atinja a órbita geostacionária, ou seja, a uns 35 mil quilômetros acima da Terra, ele vai usar sensores e câmeras para detectar trajetórias de eventos de infravermelhos, tais como lançamento de mísseis e outros eventos que provocam o aquecimento de atmosfera, diz-se no relatório.

    A constelação dos satélites SBIRS abarca todo o mundo, vigiando vastas áreas e observando escrupulosamente os locais de interesse.

    A Lockheed Martin sublinhou que os dados fornecidos pelo SBIRS "podem ser aplicados em uma série de áreas governamentais e civis, inclusive a resposta precoce a calamidades e combate à extinção de incêndios".

    Para lançar o SBIRS GEO Flight 3, será usada a foguete Atlas V, que é equipado com o motor RD-180 russo na primeira fase do voo.

    O próximo lançamento de mais um satélite, o GEO Flight 4, ocorrerá nos finais de 2017. Os aparelhos seguintes — o SBIRS GEO-5 e SBIRS GEO-6 — estão ainda em construção.

    Mais:

    China lança novo satélite de telecomunicações
    NASA descobre oceano subterrâneo em satélite de Plutão
    Japão falha no lançamento do menor foguete do mundo (VÍDEO)
    Tags:
    satélite geoestacionário, defesa antimísseis, estação de pesquisa, órbita, lançamento, Força Aérea dos EUA, Lockheed Martin, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar