00:29 20 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Bathochordaeus charon

    Descoberto 'monstro' marinho único na costa da Califórnia

    © Foto: Sherlock et al. / Marine Biodiversity Records 2016
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    292

    Oceanólogos fizeram a descoberta perto da costa do estado norte-americano da Califórnia.

    Foi encontrada uma criatura misteriosa muito parecida com o brinquedo Mola Slinky. Pela última vez algo parecido tinha sido registrado mais de um século atrás, destaca o artigo sobre a descoberta publicado na revista científica Marine Biodiversity Records.

    "Quando o nosso batiscafo subiu, ele trouxe consigo um vertebrado extraordinário, que se verificou estar vivo e totalmente sem danos. Nós o dissecamos logo e lhe preparamos para ser transportado ao museu [do Instituto] Smithsonian", disse o cientista Robert Sherlock, citado no artigo.

    Ainda de acordo com ele, a criatura é um tipo misterioso de apendicularias, classe de animais marinhos planctônicos presentes em todos os oceanos.

    Os especialistas destacam que se trata do Bathochordaeus charon, um tipo de apendicularias parente próximo dos peixes. Eles vivem em um tipo macio de conchas através das quais as criaturas deixam a água passar, filtrando o plâncton e outras coisas "comestíveis".

    Este tipo de apendicularias tinha sido descoberto pela primeira (e última) vez em 1899 pelo biólogo alemão Carl Chun, que estudou a flora e a fauna do sul do Atlântico. A forma estranha do animal lhe fizeram pensar que era um habitante das zonas marítimas mais profundas.

    Carl Chun deu à sua descoberta o nome de Bathochordaeus charon, inspirado na antiga mitologia grega, nomeadamente pela personagem de um canoeiro que transportava almas mortas através o rio Styx, que personifica o medo primitivo.

    Atualmente, os cientistas ainda não sabem se este "monstro" marinho habita em outros oceanos, visto serem tão raras as suas aparições.

    Tags:
    descoberta, oceano, Califórnia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik