12:40 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Águas do mar

    Descoberta a mais rara 'zona da morte' dos oceanos no Golfo de Bengala

    © flickr.com / ilya
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 122

    Os cientistas descobriram uma área "morta" no Golfo de Bengala, perto da Índia, que poderá se transformar em uma "fábrica mundial" de processamento de nitrogênio.

    De acordo com a pesquisa do jornal científico Nature Geoscience, foi encontrada uma área de 60 mil quilômetros quadrados com profundidade entre 100 e 400 metros e que contém 10 mil vezes menos oxigênio do que as águas da superfície.

    As áreas deste tipo não possuem vida marítima comum, como peixes e outros organismos, sendo este um importante problema para a biodiversidade do planeta.

    "As zonas da morte" são caracterizadas pelo excesso de nitrogênio radioativo na água. Sendo a fonte de nutrição para algas, o nitrogênio as permite crescer rapidamente. Ao "morrer", as algas se decompõem, eliminando o oxigênio da água, consequentemente, impossibilitando a sobrevivência de outros organismos.

    Embora, em várias zonas mortas, em diferentes partes do globo, existam colônias de micróbios que combatem o excesso de nitrogênio, no Golfo de Bengala, devido à escassez de oxigênio, estes micróbios não conseguem remover nitrogênio rapidamente. Assim, o Golfo de Bengala poderá se tornar o líder global em termos de remoção de nitrogênio.

    A abundância de nitrogênio poderá causar o desaparecimento do oxigênio das águas profundas, escreve o jornal Eurekalert.

    Ao mesmo tempo, o uso ativo de fertilizantes pelo homem causa o excesso de nitrogênio reativo nas águas. Além de a atividade humana exercer maior influência sobre o ciclo de nitrogênio na Terra, ela aumenta a necessidade de estudo e análise mais minuciosos deste fenômeno.

    Mais:

    Rio Doce: pescadores em águas sem peixes
    5.000 peixes mortos expostos para divertimento no Japão
    Tags:
    biodiversidade, excessos, superfície, peixes, remoção, águas, Terra, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik