09:49 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Rio Amazonas

    Idioma mais difícil do mundo é falado no Brasil

    © AFP 2017/ CHRISTOPHE SIMON
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1314431432

    "A língua mais difícil do mundo é sem dúvida o pirarrã", diz Rolf Theil, professor de linguística da Universidade de Oslo. Entre os milhares de línguas faladas no planeta, Theil escolheu esta língua falada por cerca de 350 nativos na região do rio Maici, na Amazônia brasileira.

    Língua de outro mundo

    O pirarrã é uma língua cuja pronúncia é muito especial, um dialeto onde a entonação é muito importante. Por exemplo, as palavras "amigo" e "inimigo" são os mesmos, mas a entonação difere.

    Ela pode ser falada, cantada e até mesmo assobiada. Na verdade, a língua é baseada em um conjunto de sons baixos transmitidos através de distâncias consideráveis. Isso permite aos nativos orientarem-se de uma melhor maneira em toda a selva e torna-se uma vantagem considerável para se comunicar sob as chuvas torrenciais da Amazônia.

    Podemos aprendê-la?

    Este idioma difícil só usa verbos nos tempos do passado e futuro, mas estes podem conjugar-se de até 65.000 maneiras diferentes! Além disso, não tem substantivos no singular ou plural. O contexto da frase dirá se se fala de uma coisa ou de várias, segundo o portal Science Nordic.

    O pirarrã tem apenas três vogais e oito consoantes, mas muitos sons específicos adquirem o significado de palavras inteiras. A transliteração pode ser detectada muitas vezes intuitivamente mas, se não se conhecer algumas regras do dialeto, será impossível transmitir uma ideia.

    Os especialistas acreditam que, devido à sua complexidade, aprender esta língua levaria cerca de 10 anos para uma pessoa com uma memória média. Especialistas descobriram alguma semelhança entre palavras em pirarrã e em inglês e português. No entanto, muitas dessas palavras têm um significado diferente, o que dificulta ainda mais a sua aprendizagem.

    Mais:

    Indígena russa lança livro no Brasil e defende formação de advogados índios
    Países lusófonos começam a afiar a língua
    Tags:
    idiomas, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik