05:16 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento do foguete portador russo Proton-M com satélite Intelsat-22

    Rússia vai enfrentar forte concorrência da China em lançamentos espaciais

    © Sputnik / Oleg Urusov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1166
    Nos siga no

    Na próxima década a Rússia enfrentará forte concorrência por parte da China na área de lançamentos comerciais de satélites para os países em desenvolvimento, informou Ivan Moiseev, diretor do Instituto de Política Espacial.

    Entrevistado pela agência RIA Novosti, Moiseev ressaltou que "a China está buscando ampliar os serviços de lançamento ao espaço ao desenvolver novos foguetes auxiliares para diferentes segmentos do mercado".

    Segundo ele, "a China construiu um novo local para lançamentos de naves espaciais e está buscando contratos no segmento em que a Rússia está ativa no momento".
    Moiseev destaca que essa competição entre os dois países aumentará significativamente nos próximos anos.

    No entanto, o diretor ressalta que a Rússia já deu uma resposta à indústria espacial da China "baixando os preços dos lançamentos de seus foguetes Proton e está desenvolvendo novos propulsores multifuncionais com base no Proton".

    Lançamento de foguete Proton-M do Centro de Tecnologia Espacial Khrunichev transportando o satélite EchoStar XVI a partir do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão (foto de arquivo)
    © AFP 2019 / STR
    Lançamento de foguete Proton-M do Centro de Tecnologia Espacial Khrunichev transportando o satélite EchoStar XVI a partir do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão (foto de arquivo)

    Em setembro, o Centro de Tecnologia Espacial Khrunichev, responsável pelos foguetes Proton, anunciou o desenvolvimento de duas versões do propulsor de tamanho menor para conquistar uma parcela maior do mercado de lançamentos comerciais.

    Foguete portador Proton-M com nave espacial Breeze-M e satélite de comunicações Sirius-5 a caminho do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão
    © Sputnik / Oleg Urusov
    Foguete portador Proton-M com nave espacial Breeze-M e satélite de comunicações Sirius-5 a caminho do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão

    Stephen Clark, representante de Spaceflight Now, fonte online de notícias sobre o espaço, faz uma análise detalhada dos foguetes Proton de tamanho reduzido, frisando que "as novas configurações têm o tamanho certo para o mercado atual de lançamentos, sendo que alguns satélites comerciais de comunicações estão se tornando menores com a introdução de tecnologias inovadoras como, por exemplo, a propulsão elétrica".

    Em novas versões de propulsores o Centro de Tecnologia Espacial Khrunichev descartou o segundo estágio e seus quatro motores. O novo design possui o terceiro estágio do Proton equipado com um motor principal e quatro propulsores de direção montados diretamente no topo do primeiro estágio.

    Na opinião de Clark, "as versões do Proton vão providenciar para o cliente capacidades diversificadas de lançamento por meio de um veículo de lançamento de dois estágios".

    Foguete chinês Longa Marcha portando a nave espacial Shenzhou-11 no centro de lançamento de Jiuquan, na China, 10 de outubro de 2016
    © REUTERS / Stringer
    Foguete chinês Longa Marcha portando a nave espacial Shenzhou-11 no centro de lançamento de Jiuquan, na China, 10 de outubro de 2016

    Vale destacar que o programa espacial chinês não se limita apenas a serviços para países terceiros. Antes o país lançou dois astronautas ao espaço a partir do Centro de Lançamentos Jiuquan, no norte da China, usando a nave espacial Shenzhou-11.

    Mais:

    Rússia lança foguete Soyuz com nova equipe espacial
    Rússia construirá nova plataforma de lançamento para foguete portador Angara em 2019
    Tags:
    propulsores, foguete, nave espacial, lançamento, Shenzhou-11, Proton-M, Ria Novosti, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar