19:34 15 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Patrícia Cristina Baleeiro Beltrão Braga, professora de Biologia Molecular da USP,

    Minicérebros criados em laboratório paulista permitirão novas terapias para o autismo

    Marcos Santos/USP Imagens
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    101

    Pesquisadores do Brasil, tendo à frente uma professora de Biologia Molecular da USP, Patrícia Beltrão Braga, trabalham no desenvolvimento de novas terapias do autismo. Neste mês foi inaugurada na USP a startup de biotecnologia Tismoo, parceria entre a Professora Patrícia Beltrão e o biólogo molecular Alysson Muotri, da Universidade da Califórnia.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, a Professora Patrícia Beltrão Braga explica como o trabalho vem sendo desenvolvido:

    "Recebemos material doado de pacientes de autismo, e o passo inicial é fazer a análise genética detalhada de cada indivíduo ou família, para que possamos detectar a mutação que causou o autismo. O passo seguinte é mapear os tratamentos possíveis depois de analisar a mudança nos genes. Por fim, chegamos à técnica dos minicérebros. Dispondo do mapa genético do paciente, é feita uma reprogramação celular por meio de células-tronco e são criados minicérebros com a genética da pessoa autista. Esses minicérebros são pequenas estruturas de neurônios que recriam, em determinada medida, o funcionamento do cérebro."

    Ainda de acordo com Patrícia Beltrão, a técnica de elaboração dos minicérebros foi desenvolvida pelo pesquisador alemão Jurgen Knoblich, e o pioneiro da tecnologia da reprogramação celular é o japonês Shinya Yamanaka.

    Patrícia Beltrão conta ainda que fármacos utilizados no tratamento de outras doenças de origem neurológica e psiquiátrica também estão sendo avaliados como igualmente passíveis de utilização no tratamento dos pacientes de autismo.

    "Mas se trata de pesquisas de longo prazo, que demandarão algum tempo de comprovação e eficácia até que estejam cientificamente determinadas como aptas para o tratamento de pessoas autistas."

    O autismo é descrito como um distúrbio neurológico caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não verbal, e ainda por comportamento restrito e repetitivo. Segundo os cientistas, o autismo tem características predominantemente genéticas. Fatores ambientais também podem contribuir para a manifestação deste distúrbio. Entidades científicas mundiais que se dedicam ao estudo e à pesquisa do autismo informam que o distúrbio acomete uma a duas pessoas em cada grupo de mil. O distúrbio registra maior incidência em meninos do que em meninas. Ainda de acordo com estas instituições, os primeiros sinais de autismo costumam ser demonstrados aos dois anos de vida.  

    Mais:

    Universidade Lomonosov entra no Top 10 de BRICS junto com USP brasileira
    Vital Brazil pesquisa fitoterápico para combater doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti
    Tags:
    autismo, Sputnik, USP, Shinya Yamanaka, Jurgen Knoblich, Patrícia Beltrão Braga, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar