01:52 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Mar de Weddell, na Antártida

    Aquecimento global pode destruir Antártida

    © Fotolia / Steve Allen
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    660

    A mudança do clima e o buraco da camada de ozônio levaram a um aumento perigoso da temperatura em várias áreas de Antártida.

    "O aquecimento na Antártida não é uniforme. Durante os últimos 50 anos, em algumas regiões não foi registrada uma mudança significativa de temperatura. Mas, em outras partes foi observado um aumento de até 2,5 C°. Esta situação é preocupante", disse à Sputnik Espanha Rodolfo Sánchez, membro da Campanha Antártica da Argentina.

    A redução da massa de gelos na Antártida por causa do aquecimento global pode influenciar o nível do oceano global, afetando as cidades costeiras e outros ecossistemas, assinala o especialista.

    Uma das principais tarefas para os cientistas é verificar se a humanidade é a causadora principal do aquecimento global. A pesquisa cientifica dos gelos de Antártida vai ajudar a revelar isso.

    "As amostras do gelo obtidas realizando perfurações profundas, dão-nos informação importante sobre a concentração de gases do efeito estufa no passado", disse o cientista.
    Assim, os cientistas revelaram que durante os últimos 650 mil anos a concentração de gás carbónico tinha aumentado 30% na Antártida e que a quantidade de metano aumentou quase 100%.

    "O aumento de concentração de gases do efeito estufa desde os meados do século XIX está ligado ao aumento global de temperatura observado neste período. Assim, podemos tirar a conclusão que as ações do ser humano podem ter influenciado a mudança do clima", acrescentou Sánchez.

    Mais:

    Aquecimento global e bactérias-assassinas expandem zonas mortas nos oceanos
    Qual o preço do aquecimento global para a economia do planeta?
    Neve rosa pode estar acelerando o aquecimento global
    Tags:
    clima global, poluição, nível dos oceanos, aquecimento global, Argentina, Antártida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik