08:11 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Planeta Proxima-B

    Exoplaneta Proxima-B pode ser habitado?

    Ciência e tecnologia
    URL curta
    171

    É pouco provável que o Proxima-B, planeta próximo ao Sistema Solar, possa ser habitado.

    Eis o que revelou à agência RIA Novosti Leonid Ksanfomaliti, membro do Conselho para Espaço da Academia de Ciências da Rússia (RAN).

    Ksanfomaliti é também especialista em astrobiologia e chefia um laboratório especializado do Instituto de Pesquisas Espaciais.

    O anúncio do cientista não foi feito por acaso. Anteriormente a revista Nature informou que os astrônomos tinham encontrado um planeta que fica a uma distância de 4,2 anos-luz do Sistema Solar, cifra considerada insignificativa, e, supostamente, tal planeta seria parecido com a Terra, podendo até ser habitado.

    Ksanfomaliti chamou de 'exagero' essa afirmação, pois na opinião dele ainda é cedo para constatar que outro planeta com tais características realmente exista.

    Ao mesmo tempo o cientista russo especificou que o planeta Proxima-B é sete vezes menor do que o Sol e 1,5 vez maior do que Júpiter.

    Segundo ele, a estrela Proxima Centauri, cujo no sistema inclui o planeta Proxima-B, é fria e instável. Tais condições impossibilitam a existência de vida.

    O cientista ressalta que até um "telescópio óptico comum" não vai ajudar a visualizar os planetas localizados à distância de alguns anos-luz do Sistema Solar.

    O pesquisador russo explica que, somente por meio de utensílios de alta resolução, seria possível fazer pesquisa desse tipo de corpos celestes em tempo atual. Ele conclui que todos os dados disponíveis sobre exoplanetas não são precisos.

    Mais:

    Astrônomos podem ter descoberto a 'Segunda Terra'
    WWF: hoje, a humanidade já usou 100% dos recursos que a Terra produz em um ano
    Tags:
    anos-luz, habitação, planeta, pesquisa, Academia de Ciências da Rússia, Proxima b, Sistema Solar, Júpiter, Sol, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik