02:37 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Terra

    Por que razão descoberta da 'Segunda Terra' é uma das mais importantes do século?

    © flickr.com/ Jonathan Fields
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    691

    Esta quarta-feira (25) foi confirmada a descoberta de um exoplaneta com um tamanho semelhante ao da Terra e localizado a uma distância adequada do seu sol para permitir a presença de água na superfície e consequente existência de vida.

    O planeta, apelidado de Próxima b, orbita ao redor da Proxima Centauri, a estrela mais próxima do nosso sistema solar, a 4,2 anos-luz da Terra.

    Segundo o site Gizmodo, esta é uma das descobertas astronômicas mais importantes do século. Segundo a mídia, o planeta recém-descoberto fica na distância de 7 milhões de quilómetros da sua estrela. Isto equivale apenas a 5% da distância entre a Terra e o Sol, mas, uma vez que a estrela Proxima Centauri é muito mais fria, o exoplaneta é uma "zona habitável" e tem uma temperatura que permite que a água se encontre em estado líquido.

    O Gizmodo destaca que ainda não se sabe se o planeta Próxima b tem atmosfera. O corpo é submetido a um fluxo de raios-X emitidos pela estrela, 400 vezes maior do que a Terra sofre, o que poderá ser um obstáculo à existência de atmosfera. No entanto, o cientista alemão Ansgar Reiners frisa que tudo depende do tempo em que o exoplaneta foi formado. Se se formou quando estava a uma distância maior do seu sol, pode ter atmosfera.

    Sendo assim, tal seria "um grande sinal para a possibilidade de ter vida", diz o portal. Além disso, a estrela Proxima Centauri tem uma esperança de vida muito maior do que o nosso Sol, por isso um planeta habitável como este seria um local óbvio para a nossa civilização migrar quando o Sol se extinguir, dentro cerca de 5 bilhões de anos, cita a edição Abraham Loeb, da Universidade de Harvard.

    Mais:

    Cientistas descobrem 'farol' da Via Láctea
    Astrónomos: aquilo é quente como o inferno!
    Tags:
    Ciência e Tecnologia, espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik