22:39 20 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    241

    Cientistas dos EUA e Coreia do Sul desenvolveram uma nova versão teórica da evolução do universo depois da Grande Explosão, escreve o jornal New Scientist.

    Após a Grande Explosão, preconizam os autores do estudo, quando o universo ainda estava quente, existiu uma partícula hipotética, o reheaton, que depois se dividiu em muitas outras partículas quando o mundo se tornou mais frio e adquiriu as formas e as dimensões que observamos hoje.

    A ideia dos cientistas é uma alternativa para a supersimetria, uma teoria em que cada partícula conhecida tem um parceiro mais pesado. Os autores do estudo argumentam que, apesar de todas as tentativas de achar aqueles superpartículas no Grande Colisor de Hadrões, na Suíça, este objetivo ainda não foi alcançado. Por isso, na sua obra teórica, eles supõem que o número inicial de tipos de partículas não era 1 ou 4, mas 1016. Isto, por sua vez, significa que todas as partículas que a  humanidade conhece hoje são provenientes de reheatons.

    Esta hipótese não está de acordo  com a física teórica do modelo padrão das partículas elementares. Os cientistas vão continuar os cálculos do novo modelo, para depois este ser comprovado na prática.

    Mais:

    Cientistas descobrem ‘Guerras nas Estrelas’ num sistema estrelar (VÍDEO)
    Cientistas mostram o ‘rosto irritado’ do Sol
    Cientistas descobrem material que só existe na Sibéria
    Tags:
    partículas elementares, Grande Colisor de Hádrons, Mundo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar